Bolo de Aniversário e a minha primeira experiência em Confeitaria

Todas as amiguinhas brasileiras do meu filho, que moram aqui em Hamburgo, fazem aniversário em Janeiro… Este mês a gente teve um aniversário por final de semana!

Há 2 festinhas atrás, enquanto conversava com um amiga na festinha de aniversário de uma das amiguinhas do pequeno, minha amiga comentou que ainda não tinha decidido como fazer o bolo da festinha da filha dela, mas disse que tinha certeza que queria fazer um urso.. pois o tema da festa seria “animais”. Eu comentei que gostava muito de fazer bolos e que se ela quisesse fazer um sabor que lembrasse o Brasil, ela poderia fazer um bolo de Maracujá e recheá-lo com brigadeiro. Ao que ela me disse que não fazia a menor idéia de como fazer um bolo de maracujá.. eu disse: “É só fazer uma receita de bolo de laranja mas substituir o suco de laranja por suco de maracujá!”… depois de rir um pouco ela disse que eu falava como se fosse a coisa mais simples do mundo… foi aí que eu me ofereci pra ajudá-la com o bolo! que responsabilidade!!! imagina se não ficasse legal ou gostoso? Bom.. minha última semana se resumiu a sonhar com este bolo! e não me leve a mal… não foi fardo nenhum.. pelo contrário! eu não via a hora de colocar a mão na massa!!

Hoje eu vou contar pra vocês como foi o processo de criação e como colocamos o que planejamos em prática! A única IMG_2510coisa de que me arrependo é de não ter tido tempo pra finalizar a decoração do bolo com ela… Mas ela fez um trabalho excelente 😉

Na semana passada eu comecei a buscar uma receita legal de pão de ló de laranja. O pão de ló é a melhor opção de receita de bolo pra fazer um bolo de aniversário recheado. Eu aprendi isso com a minha mãe.. que em todos os meus aniversários fazia um pão de ló de laranja pra fazer um bolo de morango pra mim, que ela adaptava de uma receita de pavê!

Então busquei no tudogostoso.com.br. Achei muitas opções de receita, e a que mais gostei foi essa. Eu gostei dessa receita por ela IMG_2502ser simples e pela foto me mostrar que o objetivo da pessoa que postou a receita era o mesmo que o meu (fazer um bolo de aniversário!). Claro que eu não poderia correr o risco de a receita não dar certo! então tratei de fazer o bolo em casa durante a semana.. dessa forma também já testei a minha forma (pra ver se a quantidade da massa batia com o tamanho da forma e o bolo ficava com uma espessura boa), testei a receita pra ver se a massa ficava gostosa e se a textura da massa possibilitava cortar o bolo pra rechear e ainda cortar pra montar o urso!, e também pra ver se realmente o sabor da massa com suco de maracujá combinava com o recheio de brigadeiro 🙂 As adaptações que fiz à receita foram:

1) trocar o suco de laranja por suco de maracujá (eu usei um suco industrializado que compro aqui e que tem bem pouco açúcar);

2) coloquei a metade do açúcar que a receita sugeria;

3) meu forno precisou de muito menos tempo do que dizia na receita (25 minutos), por isso, quando faço um bolo pela primeira vez, sempre olho de 5 em 5 minutos!! se não, queima, com certeza!

O teste me permitiu perceber que o recheio de brigadeiro ficou muito doce e apagou o sabor do maracujá, então nós image[1]decidimos por fazer duas mudanças: Recheamos o bolo com um creme de brigadeiro (a mesma receita mas com um pouco de creme de leite) e encharcamos o bolo com suco de maracujá, tanto pra ele ficar mais molhadinho, como para ficar com um sabor mais forte de maracujá.

Além de procurar a receita, também fui buscar no Pinterest um modelo de bolo de urso. A minha amiga comentou que tinha feito um bolo assim em um curso que ela fez, mas que não sabia onde estava o modelo. Mas eu sabia que a internet não nos deixaria na mão! O primeiro modelo que encontrei e o escolhido por ela foi este. Outra coisa que precisei testar era se a minha forma permitiria fazer os cortes que o blog sugeria para a montagem do urso. O que eu fiz? peguei um pedaço de papel do tamanho da forma (coincidentemente a minha forma é do tamanho exato de uma folha A4) e recortei me baseando nas fotos do site. O resultado você vê na foto alí em cima. Desta forma eu também consegui prever o tamanho final que o bolo teria, e então pudemos definir o tamanho da tábua onde colocaríamos o bolo pronto.

imagePara adiantar o serviço (afinal nós duas temos filhos pequenos), eu fiz os bolos (precisamos de 2 para montar o urso) durante o dia na sexta feira e levei pra casa dela no sábado de manhã, quando nós fizemos o recheio e a cobertura e montamos o bolo (o aniversário foi no domingo).

Para que o bolo não ressecasse muito nestes dias anteriores à festa, nós o deixamos durante a noite no porão, onde não tem aquecimento. Nós consideramos deixar do lado de fora de casa, mas a noite fez tanto frio que o bolo teria congelado.

E aí, no sábado, fui até a casa da minha amiga para colocarmos todo o planejamento em prática! Com uma faca de pão (de serra e bem comprida) cortei o bolo ao meio para rechear. Antes de rechear, usei um borrifador (que até então só tinha usado com image(1)água) com o suco de maracujá para encharcar o bolo com o suco. Usei aproximadamente 300 ml de suco para encharcar o bolo todo. Para o recheio, nós usamos o equivalente a 2 latas de leite condensado de brigadeiro, mais aproximadamente 3 colheres de sopa de creme fraiche. Deixei para acrescentar o creme fraiche depois que o brigadeiro estivesse pronto e um pouco mais frio. Nós fizemos o brigadeiro com o Kakao que encontramos aqui, que é uma versão IMG_1456ainda mais amarga do “chocolate do padre”. Como o leite condensado já é bem doce, o brigadeiro fica doce na medida certa pro paladar alemão.

Então, recheamos os dois bolos depois de encharcar bem as duas partes de cada bolo com bastante suco de maracujá. E só depois cortamos as partes do bolo para montar o urso. De acordo com o que eu já tinha feito com o papel, eu usei a mesma faca de pão para cortar o bolo, e como ele já estava recheado, eu image4limpei a faca para cada vez que ia cortar o bolo novamente. Também usei bastante papel manteiga para separar os bolos e as partes já encharcadas, para evitar de grudar em outras superfícies.

A minha amiga arrumou uma tábua de madeira do tamanho ideal para o urso, e forrou a mesma duas vezes. Primeiro com papel filme e depois com papel contact. Essa superfície ficou ideal para limpar onde espirrou recheio e caiu farelos e para cortar o bolo quando for o momento.image6

Aí então nós usamos as partes para montar o urso. Como você pode ver no blog de onde tiramos a ideia do urso, o bolo original não foi recheado (o que image[2]facilitaria bastante o processo mas não ficaria tão delicioso) e a parte da barriga, do focinho e dos pés do urso fica o dobro da altura e depois de ler um comentário que dizia que o urso ficou parecendo que estava grávido (rs), nós decidimos usar somente uma camada do bolo pra estas partes.

Depois de colocar todas as partes em seus devidos lugares, foi a hora de arredondar orelhas, mãos e pés para que o acabamento ficasse melhor.

Nós fizemos o mesmo brigadeiro com creme fraiche para fazer a cobertura, mas desta fez fizemos 3 image5latas de leite condensado. Minha idéia era que sobrasse creme de forma que não precisássemos fazer mais e corrermos o risco de termos um urso de duas cores (afinal a probabilidade da segunda panela de brigadeiro ficar em um tom diferente de marrom é muito grande!). No final o creme não foi suficiente, apesar de não ter sido necessário fazer mais brigadeiro (nós deixamos a lateral do urso plana ao invés de continuar o acabamento com o saco de confeiteiro). Por isso, se você for tentar em casa, faça 4 panelas de brigadeiro para garantir 😉

image3Antes de finalizar com o saco de confeiteiro eu usei o creme para unir as partes do urso e também para nivelar a altura dele. Só depois finalizamos com o saco de confeiteiro e os confeitos. O resultado você vê nas fotos. 🙂

O sabor eu garanto que arrasou 🙂 o visual você pode avaliar por você mesmo. Realmente, ele não ficou nem parecido com o urso do blog original, afinal, nós usamos materiais totalmente diferentes! além de termos recheado o bolo… Mas eu (e a minha amiga também) fiquei muito satisfeita com o resultado.

(E fiquei morrendo de medo de aparecer naqueles posts de Expectativa x Realidade do Pinterest como este aqui LOL)

IMG_2591

RECEITAS

Pão de Ló de Maracujá

Ingredientes

4 ovos

1 copo (250 ml) de açúcar

2 copos (250 ml) de farinha de trigo

1 copo (250 ml) de suco de maracujá

1 colher de sopa de fermento químico

Modo de Preparo

Separe as gemas e as claras dos ovos. Bata as claras em neve. Em uma vasilha separada, misture bem as gemas e o açúcar até obter um creme. Acrescente um pouco do suco de maracujá e jogue esta mistura aos poucos nas claras em neve batendo ao mesmo tempo. Acrescente o restante do suco de maracujá. Acrescente a farinha aos poucos, se possível passando por uma peneira, com a batedeira ligada na menor velocidade. Por último, acrescente o fermento, apenas misturando, sem bater demais. Despeje a massa em uma forma retangular média untada com manteiga e farinha. Asse em forno pré aquecido (180°C) por 25 a 30 minutos (depende do forno).

Creme de Brigadeiro

Ingredientes (Multiplique os ingredientes proporcionalmente para uma maior quantidade de creme)

1 lata de leite condensado

2 colheres de cacau em pó

1 colher de manteiga

3 colheres de creme fraiche/de leite

Modo de Preparo

Em uma panela média aqueça o leite condensado, o cacau e a manteiga mexendo sempre com uma colher de pau e sem deixar que a mistura grude demais na panela. Ao levantar fervura, abaixe o fogo e continue mexendo até que o brigadeiro tenha consistência para enrolar (até desgrudar do fundo). Retire do fogo, espere esfriar um pouco, e acrescente o creme fraiche/de leite. Para rechear, use a mistura ainda morna. Para decorar, deixe o creme esfriar até que a consistência fique mais firme.

Anúncios

Nada como um dia depois do outro (mas clica que tem receita!)

Ontem eu tirei do freezer um pacote de camarões jumbo!

Maridão chegou em casa, viu o pacote na pia e já criou grandes expectativas… Ofereci duas alternativas de prato.. ele escolheu uma… e… ficou uma porcaria…

Acho que tem dias que a gente simplesmente perde a mão (ou vai ver é por isso que eu não segui a carreira gastronômica?!).. Não temperei o camarão (!), fritei na Airfryer e ficou uma caca… enfim… não vou postar foto, receita nem nada por que não me orgulho do resultado.. masssss, algo de bom saiu disso… eu usei a casca do camarão pra fazer um caldo de camarão, o qual usei hoje para fazer um risoto e tcharam! Hoje, deu tudo certo e o jantar ficou uma delícia! Maridão até se atreveu a repetir sendo que na seqüência ele ia pro Karatê.

Então hoje eu vou contar pra vocês, não só como fazer um risoto, mas também como fazer caldo de camarão e também um salmãozinho asiático no papilote de alumínio 😉

Bom, pro caldo do camarão fica até difícil de postar uma receita mas eu vou tentar, ok? Primeiro deixa eu contar que eu coloquei tudo o que tinha aqui em casa e mais um pouco.. mas ainda dava pra pôr mais coisa! Eu vou colocar na receita tudo o que eu coloquei, mas lembre-se, você pode usar os talos dos legumes (aos invés de descartá-los) pode colocar cebola, cebolinha, alho-poró, alho, limão, gengibre, talo de Brocolis, talo de couve, cenoura, etc etc etc

O caldo pode ser facilmente congelado.

Aí vai:

IMG_2557Caldo de Camarão – Rende 1 litro de caldo

Ingredientes

Cascas e cabeças de camarão

1/2 talo de alho poró

3 cabeças de alho descascadas

1/2 cebola

1 talo de cebolinha

1 pedaço pequeno de gengibre

1/4 de limão

1 litro e 1/2 de água

Sal a gosto

Modo de Preparo

Cozinhe tudo em uma panela grande, quando levantar fervura, abaixe o fogo e deixe cozinhar em fogo baixo por mais ou menos 20 minutos. Espere esfriar, separe o caldo dos sólidos. Descarte os sólidos e use o caldo.

IMG_2559Risoto de Camarão (ou de caldo de camarão) – Para 3 pessoas

Deixa eu só explicar que como eu usei o camarão na minha receita desastrosa de ontem, o risoto não tinha camarão. Ele foi um risoto simples, mas que poderia ter tido alho poró (se eu tivesse mais em casa) ou até uns camarões pequenininhos. Você pode tentar esta receita acrescentando camarões, ok? Você precisa apenas deixar para acrescentar os camarões nos últimos 5 minutos de cozimento do risoto 😉

Ingredientes

1 litro de caldo de camarão

2 dentes de alho espremidos

1 xícara de arroz arbóreo

2 colheres de sopa de queijo mussarela ralado

1 colher de sopa de queijo parmesão ralado

1 colher de sopa de suco de limão

1 colher de sopa de azeite

sal a gosto

Modo de Preparo

Inicie fervendo o caldo de camarão, e deixando a panela com o caldo ao lado da panela onde o risoto será preparado ainda sendo aquecida em fogo baixo. Tenha uma concha à mão.

Aqueça o azeite em uma panela média e frite o alho rapidamente, acrescente o arroz, refogue. Acrescente uma concha do caldo ao arroz, mexendo sempre até que o arroz fique levemente seco, repita a operação 1 concha após a outra (sempre acrescentando a próxima quando a anterior já tiver secado), mexendo o tempo todo. Mantenha a panela do risoto em fogo alto.

Repita o processo até que o caldo termine ou até que o arroz esteja “al dente”. O meu risoto chegou no ponto em 15 minutos e sobrou caldo.

Ao final do processo, acrescente o limão e o sal para temperar. Por último e já com o fogo desligado, acrescente os queijos e misture bem.

Sirva imediatamente.

Para que o risoto não fique ressecado muito rápido, desligue o fogo quando ele estiver quase seco mas ainda um pouco empapado.

Salmão Asiático no Papilote de alumínio IMG_2561– 3 pessoas

Esta receita eu vi no Pinterest e a original está aqui. Eu apenas adaptei as quantidades e não coloquei 2 ingredientes que eu não tinha em casa.

Ingredientes

3 filés de salmão pequenos

1 colher de sopa de mel

2 dentes de alho espremidos

meia colher de sopa de gengibre fresco ralado

meia colher de sopa de shoyu

meia colher de sopa de vinagre de arroz

meia colher de sopa de óleo de gergelim

meio talo de cebolinha bem picado

Modo de Preparo

Pré-aqueça o forno a 180°C.

Em uma vasilha misture todos os ingredientes menos o salmão e a cebolinha e reserve.

Em uma assadeira pequena, abra um pedaço de papel alumínio (suficiente para cobrir todo o salmão). Coloque o salmão no papel alumínio, levante as laterais do papel alumínio e despeje a mistura dos ingredientes por cima do salmão.

Feche o papel alumínio e leve ao forno por 15 a 20 minutos.

Eu achei que o salmão ainda estava bem pálido depois deste tempo, por isso, ao final, abri o papel alumínio e deixei o salmão assar por mais 10 minutos.

Retire do forno e acrescente a cebolinha picada.

Voi la 😉

IMG_2552

Batatas, batatas, batatas… (Batatas ao Murro + Pão de Batata)

No Brasil, a base de todas as refeições é o arroz, e quando criança e adolescente eu nunca gostei de batatas… até que durante meu intercâmbio na Noruega e mais tarde quando moramos na Dinamarca, eu caí nas suas graças..

Batatas são muito mais versáteis do que arroz… e a variedade do que podemos fazer com elas é infinita 🙂 além de ser muito mais fácil e rápido de preparar.

Mesmo depois, quando voltamos pro Brasil, passei a preparar batatas com muito mais frequência do que arroz.

E aqui na Batatolândia, não tinha como ser diferente 🙂 até por que, como eu contei aqui, fazer arroz tem me dado muito mais trabalho por aqui…

Atualmente eu faço muito mais batatas do que eu faço arroz. A não ser que o prato seja um Estrogofe ou arroz com feijão. E as opções variam entre Purê de Batatas, Inteiras no forno com alecrim e sal, cortadas no forno com outros legumes, Fritas na frigideira, etc etc etc.

Há um tempo atrás eu encontrei uma receita de “batatas ao murro” na internet.. apesar de ter ficado gostosa, eu dei o “murro” nas batatas com elas ainda quente e acabei nunca mais fazendo (fiquei com as mãos queimadas e ganhei um trauma!)… afinal, não fazia muito sentido esperar elas estarem frias depois de cozinhar pra só então colocá-las no forno.

Até que, recentemente, eu vi, em algum lugar, uma receita parecida em que a batata era “esmagada” com o amassador de batatas, com casca e tudo, depois de cozida. E então, esta semana eu preparei a minha nova versão de “Batatas ao Murro”, acompanhadas de Brocólis.

Essa semana eu também fiz o pão de Batata sobre o qual comentei aqui. E hoje vou compartilhar com vocês as duas receitas.

IMG_2513Batatas ao Murro

Ingredientes

8 batatas pequenas (inteiras e bem lavadas)

1/2 ramo de brócolis

Bacon a gosto

Mussarela e Parmesão ralados a gosto

Azeite

Sal

Modo de Preparo

Inicie cozinhando as batatas inteiras (com casca). Quando elas estiverem próximas de estar cozidas, acrescente o brócolis ao cozimento.

Com um pincel, unte uma assadeira pequena com meia colher de azeite.

Retire a água dos legumes (se tiverem sido cozidos na água), separe as batatas, e com um amassador (em um prato separado), esmague levemente as batatas.

Ajeite-as na assadeira junto com o brócolis, tempere com sal agosto e regue com mais um pouco de azeite. Salpique o bacon e o queijo por cima das batatas, e leve ao forno por mais 15 minutos.

Pão de Batata

IngredientesIMG_2515

1/2 xícara de leite morno

1 colher de sopa de fermento biológico seco (ou 2 tabletes do fresco)

1/2 xícara de manteira

4 xícaras de farinha de trigo

2 colheres de açucar

1 colher de sal

500g de batatas descascadas, cozidas e amassadas

Modo de Preparo

Cozinhe as batatas já descascadas, amasse bem até formar um purê e reserve.

Em uma tigela pequena, misture o fermento, 4 colheres de farinha e o açúcar, despejando o leite lentamente e misturando. Reserve esta mistura por 30 min para que ela dobre de tamanho.

Junte todos os ingredientes*, acrescentando a farinha aos poucos, até que a massa desgrude das mãos.

Separe a massa em duas forma de pão ou faça bolinhas/pãezinhos com ela.

Deixe a massa crescer por 40 min (Eu expliquei como fazer este processo no tempo frio da Europa aqui).

Asse em forno médio (180°C) por 20 minutos.

*Essa massa pode ser feita na máquina de pão, e ela tem uma consistência excelente para fazer pãezinhos (melhor do que o Pão de Batata Doce).

Eu também já fiz esta receita com batata doce ao invés de batatas normais e ela ficou muito boa.

Pão de Queijo

Se você estava esperando uma receita de pão de queijo… eu peço desculpas antecipadamente…IMG_2474

Acontece que é tão mais simples fazer pão de queijo de caixinha da Yoki… e só acrescentando um pouco mais de queijo ele fica tão melhor.. que a verdade é que eu nunca nem tentei fazer pão de queijo “from scratch”!

Além de dar um UP na massa do pão de queijo (o que aliás foi uma dica de uma amiga que conheci aqui em Hamburgo), na hora do lanche nós também fazemos Panini com eles, ou como meu pequeno diz: tostex de pão de queijo 🙂

O pão de queijo de caixinha eu compro aqui mesmo na Alemanha, pela Amazon.com. Mas também sei que dá pra comprar nas lojinhas de produtos portugueses.

Eu acrescento ainda mussarela ralada (mais ou menos 100g) e mais queijo parmesão ralado (umas 50g). A verdade é que qualquer queijo que eu tenha em casa acaba entrando na massa e aí ela fica sempre deliciosa e com um toque diferente. Da última vez eu tinha Cheddar e Gouda, ficou uma delicia.

IMG_2497

E aí o restante você já conhece… mistura tudo, deixa descansar por 3 minutos, faz bolinhas do tamanho que você quiser, e assa em forno médio por 25 minutos (eu sempre coloco o meu timer pra me avisar 10 ou 5 minutos antes, pois já queimei muita coisa por meu forno ser forte demais).

Depois de pronto, nós usamos o George Foreman Grill (ou qualquer IMG_2499grill/sanduicheira) para fazer os paninis.

Creme de Abóbora com gengibre

Na semana passada recebemos uma abóbora Hokkaido na Grüne Kiste.

Sempre que vem algum legume bem grande ou um ramo inteiro de algum vegetal eu fico um pouco insegura se devo IMG_2419confirmar ou não… primeiro por que não sei se damos conta de consumir tudo antes de estragar alguma coisa… segundo por que nunca sei bem o que fazer com esses legumes que não preparo sempre…

Sempre que vem abóbora, eu acabo fazendo sopa… eu sei que poderia colocar também junto com os legumes que faço assados ou até fazer pão.. mas sempre acho que vou acabar abrindo a abóbora inteira e o restante vai acabar estragando…

Aí então eu acabei fazendo uma sopa de abóbora na terça feira. A sopa ficou super gostosa, mas já é a segunda vez que o pequeno acaba não jantando direito por que fiz sopa.. a única sopa que ele come super bem é a de feijão.. então não sei se vou fazer isso de novo… ou se vou ter que deixá-la mais insonsa mesmo e não colocar gengibre…

Fazer sopa creme é super fácil.. de legumes, de abóbora, de batata doce ou de cenoura… o processo é sempre o mesmo. Cozinhar o legume com caldo de alguma coisa e temperos e depois bater no liquidificador.

IMG_2421Desta vez eu usei um caldo de legumes que comprei no Alnatura e que achei super prático por que ele vem em um vidro grande e você usa a quantidade que quiser. (e eu sei que ainda estou devendo mostrar como faz o caldo em casa!)

E além de tudo isso eu morro de dó de jogar todas aquelas sementes fora.. então eu acabo tendo o trabalho de lavá-las e assá-las pra depois comer como petisco.

E aí vai o passo-a-passo de tudo:

Creme de abóbora com gengibre

Ingredientes

1 abóbora hokkaido média, descascada e sem sementes cortada em pedaços

3 dentes de alho fatiados

1 pedaço pequeno de gengibre fatiado

1 colher de sopa de caldo de legumes (ou 1 tablete)

1 litro e 1/2 de água (ou 1 litro e 1/2 de caldo de legumes caseiro)

meio copo de creme fraiche / creme de leite

1 colher de sopa de óleo vegetal/azeite

sal a gosto

Modo de Preparo

Em uma panela grande frite o alho e o gengibre no óleo. cuidado para não queimar! em seguida acrescente a água, o caldo IMG_2374de legumes e a abóbora. Deixe cozinhar em fogo alto até levantar fervura, abaixe o fogo e cozinhe por aproximadamente 20 minutos, ou até a abóbora estar bem molinha. Deixe esfriar um pouco e bata toda a mistura no liquidificador.

Coloque a mistura batida de volta na panela, aqueça novamente e acrescente o creme fraiche aos poucos*.

Sirva com torradinhas.

*Preciso confessar aqui que esta foi a primeira vez que eu coloquei creme fraiche na sopa. O resultado foi ótimo e eu faria isso sempre, mas, confesso que não sei exatamente por que, o creme acabou ficando com pequenas bolinhas na sopa (eu acho que por que a sopa estava quente demais quando eu coloquei o creme fraiche), e por isso eu acabei tendo que passar a sopa levemente na batedeira pra tirar este efeito. Se vocês tentarem a receita em casa, me contem o resultado, ok? 😀

Para as sementes

Lave-as bem e retire todo o excesso de abóbora com o auxílio de uma peneira.

Espalhe as sementes em uma assadeira grande com papel manteiga (se não tiver, melhor não untar, não use nada). Acrescente um pouco de sal por cima.

Asse em fogo alto (200°C) por 40 minutos, mexendo na metade do tempo.IMG_2423

A parte da semente de abóbora que é comestível é a parte de dentro da semente. Ela precisa ser descascada para ser consumida.

e Bom Apetite!!

Fusilli à minha moda (com camarão e brócolis)

O ingrediente que eu mais gosto de preparar para o jantar é macarrão. Com molho vermelho, molho branco, sem molho, ao alho e óleo, “tipo” Yakissoba… Dá pra colocar tudo o que a gente pode imaginar e ainda servir em uma única panela. IMG_2405Eu adoro e os meninos também. O melhor de tudo é poder usar legumes e coisas gostosas e saudáveis junto com ele.

Quando pensei no título desse post fiquei confusa, por que o macarrão que eu ia apresentar pra vocês foi inventado no momento em que ele foi feito com os ingredientes que eu tinha na geladeira… então ele não tem um nome.. mas a minha moda também pode ser qualquer coisa, já que se eu tivesse outros ingredientes na geladeira, ele ainda teria sido à minha moda.. 🙂

O melhor do macarrão é isso: você pode servi-lo com qualquer coisa. Com carne, com frango, com peixe, com frutos do mar, com bacon, com legumes, só com molho…. E ainda pode incluir quase tudo o que tiver na geladeira.. brócolis, vagem, aspargos, cenoura, tomate, cogumelos, cebola, alho, gengibre, azeitonas, etc etc etc.. e finalizar com o molho que quiser.. Molho de tomate, creme de leite, molho branco, molho de queijo, ou até sem molho.

Eu sempre acabo fazendo macarrão para o jantar pelo menos umas 3 vezes na semana… a minha única ressalva é que o pequeno tenha comido macarrão na escola, aí eu prefiro que ele coma algo mais nutritivo a noite, de preferência com mais legumes, batatas, etc…

IMG_2403As vezes eu uso molho de tomate pronto, outras uso só um pouco de extrato de tomate e deixo aquele gostinho de tomate mas sem muito molho, outras uso creme de leite (nunca gostei do tradicional molho branco com leite, manteiga e maisena/farinha de trigo…), as vezes uso molho shoyu e dou uma engrossada com um pouco de água e maisena pra ficar “tipo Yakissoba”.. as vezes termino no forno com bastante queijo pra gratinar… as opções são infinitas e isso é o que eu mais gosto em fazer macarrão. Aliás aqui na Alemanha até o macarrão pode ser orgânico.. adoro!

A única grande diferença entre fazer o macarrão com um ou outro ingrediente, é o momento em que você coloca certo ingrediente na panela… por exemplo: frango e carne precisam ser um dos primeiros a serem fritos/cozidos pois levam mais tempo, já o camarão tem que ser o último, pois ele fica duro se ficar mais do que 5 minutos no calor.

Ontem eu tirei um pacotinho de camarão do freezer (camarão descongela super rápido e é uma ótima opção para aquele IMG_2404dia que eu esqueci de tirar algo do freezer a tempo de estar descongelado pra fazer – eu não gosto muito de usar o microondas pra descongelar), tinha tomatinhos cereja, brócolis, alho-poró e cogumelos na geladeira.. e aí vai a receita do que eu fiz:

Fusilli à minha moda (2 pessoas)

Ingredientes

250g/1\2 pacote de macarrão tipo fusilli/parafuso

1/2 ramo de Brócolis japonês picado, sem o talo*.

100g de camarões

5 cogumelos médios fatiados

7 tomates cerejas cortados na metade

4 dentes de alho fatiados

1/2 talo de alho poró fatiado

1 copo de Creme fraiche (ou creme de leite)

1/2 limão

sal e pimenta a gosto

queijo ralado

IMG_2417* Eu gosto do brócolis mais durinho, por isso, eu não cozinho antes, eu apenas dou um choque com água fervente nele por uns 5 minutos. Se você gosta do brócolis mais molinho, inicie o preparo do macarrão com ele já cozido.

Modo de Preparo

Tempere os camarões com 1/4 de limão e sal a gosto.

Cozinhe o macarrão conforme as instruções do pacote.

Enquanto a água ferve e o macarrão cozinha, inicie o preparo da “mistura”.

Em uma panela grande (de preferência tipo Wok), aqueça 2 colheres de azeite. Frite o alho, em seguida coloque o alho poró, frite por mais uns 3 minutos. Acrescente o brócolis, em seguida os cogumelos e então os tomates. Tempere a mistura com sal, pimenta e o restante do limão. Quando todos os ingredientes já estiverem macios, abaixe o fogo e acrescente então os camarões, logo em seguida acrescente o macarrão já cozido e escorrido, misture tudo muito bem, acrescente o creme fraiche, desligue o fogo e continue misturando até que o macarrão esteja todo coberto em creme fraiche. Tempere com queijo ralado e misture um pouco mais.

Sirva imediatamente.

IMG_2411

Arroz e Feijão – Natural do Brasil

Hoje vou falar do que comemos no domingo… passou um pouco de tempo mas achei que o pão de batata doce ia deixar vocês com mais água na boca 😛

Agora, pra quem tá há muito tempo longe do Brasil, o post de hoje é que vai ser de dar água da boca.

No Brasil eu nunca fui de fazer arroz com feijão. No máximo fazia feijão pra fazer sopa, mas quando queria comer um bom feijão preto era só sair de casa num sábado e apreciar qualquer restaurante por quilo da cidade. Já aqui na Alemanha, mesmo que ainda seja possível achar um restaurante que sirva um feijoada, já não é tão fácil.

Aqui em casa a gente prefere o feijão preto. Mesmo quando o prato não é a tradicional feijoada, o feijão preto é o nosso preferido. Confesso que sinto falta de um bom paio ou de um linguicinha calabresa ou uma costelinha no meu feijão, mas ainda não fiz a receita completa por preguiça mesmo.

Como contei aqui, este final de semana minha cunhada veio nos visitar, e como ela já vive em Londres há quase 10 anos, resolvi fazer uma agradinho e preparar uma comidinha brazuca. Não que a gente precise de desculpa, por que normalmente aos finais de semana a gente come um arrozinho com feijão mesmo (e coincidência, ou não, é só neste dia que todo mundo aqui em casa tira um cochilo depois do almoço rs).

Então neste domingo eu resolvi fazer um franguinho “tipo” churrasco pra mostrar pra vocês. As vezes eu faço uma coxinha de frango no forno com cebola, outras vezes uso a air fryer, mas 100% das vezes a proteína que acompanha nosso arroz com feijão é frango. (ai que saudade de um bifinho de picanha…)

O arroz eu já contei pra vocês como faço. O feijão eu contei mais ou menos aqui, a única diferença entre a maneira de temperar o feijão para a sopa ou para acompanhar o arroz é que no segundo caso eu frito o bacon junto com a cebola e o alho, e que adiciono só 1 medida de água (igual a que coloquei de feijão congelado). O resto é igual.

Então hoje eu vou contar pra vocês como eu fiz o frango e a farofa.

Frango assado (para 3 pessoas)

IngredientesIMG_2395

7 asinhas de frango (ou coxa, ou sobrecoxa) *Essa receita deixa o peito de frango muito seco e eu não recomendo.

Alho, sal e tempero à gosto

Modo de Preparo

Tempere o frango à sua moda. Eu costumo usar só alho triturado, sal e limão, como esta semana eu não tinha limão, usei um tempero próprio para aves. Deixe o frango “curtir” no tempero por pelo menos 1 hora.

Utilize uma assadeira com grelha, acrescente um dedinho de água na assadeira e espalhe os pedaços de frango por cima da grelha, como em uma churrasqueira.

Pré-aqueça o forno a 200°C. Asse o frango por 45 minutos a 1 hora, virando as partes na metade do tempo. Se você gostar do seu frango molhadinho, eu sugiro acrescentar um pouquinho de manteiga em cima de cada parte no início do processo.

IMG_2397Farofa

Ingredientes

1 colher (sopa) de bacon picado

1 colher (sopa) de azeitonas picadas

1/4 de cebola picada

1 ovo

2 xícaras de farofa pronta Yoki* (ou farinha de mandioca torrada**)

se tiver cebolinha ou salsinha em casa, também pode acrescentar (por último)

Modo de Preparo

Em uma frigideira grande frite o bacon até que ele solte bastante gordura, acrescente a cebola e frite até que ela fique dourada, em seguida acrescente a azeitona. Reserve essa mistura na lateral da frigideira e frite um ovo (separado da mistura) mexendo a gema e a clara.

Acrescente a farofa e misture bem. Se decidir usar temperos verdes, acrescente-os no final do processo. Se usar farinha de mandioca, tempere com sal e pimenta a gosto.

*Eu compro tanto a farofa Yoki como a Farinha de Mandioca pela amazon.com.

**se usar a farinha de mandioca tempere com sal e pimenta a gosto

A nossa saladinha tinha alface, agrião, tomate, cenoura e beterraba raladas, cogumelos frescos e queijo feta.

IMG_2335

Pão de Batata Doce

Quando nos mudamos pra Dinamarca, eu comprei uma destas máquinas de fazer pão, por que sabia que lá não teria a opção de comprar pão fresco pela manhã como fazemos no Brasil. Nós usamos muito a máquina, mas os pães feito por ela nunca superaram os pães verdadeiramente caseiros. Aqui na Alemanha existem sim padarias (mesmo que não exatamente no modelo que conhecemos) e é possível comprar pão fresco de manhã. Aqui existe, aliás, uma gama enorme de opções de tipo de pão, e quanto mais escuro o pão, mais popular e mais fácil de você encontrar. photo 6Aqui em casa o café da manhã ainda é, basicamente, pão. E nós, normalmente, compramos estes pães de fôrma beeem escuros e beeem cheios de sementes no mercado mesmo (mas feito na hora) e comemos este mesmo pão a semana toda. Eu confesso que não curto muito os pães integrais.. ainda mais estes bem escuros e duros mesmo como tem aqui, mas é bem verdade que esta é a opção mais saudável. Eu comentei aqui que quando começamos com a Grüne Kiste eu fiquei com um estoque grande de batatas por que ainda não sabia como alterar a compra da semana, lembra? Pois bem, quando isso aconteceu, eu decidi fazer pão com as batatas para usar logo o meu longo estoque, e o gostinho de pão caseiro me fez lembrar que eu sei fazer pão e que não tem nada mais gostoso do que um bom pão caseiro. Umas das memórias mais gostosas da minha infância é de um pão de mandioquinha (batata baroa) que a minha mãe costumava fazer. Quando eu já era adolescente, eu fiz este pão uma vez, mas deste episódio o que ficou mais vivo na minha memória foi o trabalho que dava descascar e amassar a bendita mandioquinha. Tanto que a segunda vez que tentei fazer fiquei com preguiça e a mandioquinha azedou na geladeira de um dia pro outro. Quando já estava casada, um belo dia, senti uma vontade enorme de comer este pão e pedi a receita pra minha mãe. Desta vez, já mais descolada, eu já cozinhei a mandioquinha descascada e usei o meu amassador para amassar a benditas. Sucesso! o pão ficou maravilhoso como sempre, mas me lembrei do trabalho que dava sovar a massa e chegar no ponto de pão…photo 2 Pois bem, quando decidi fazer o tal pão de batata, comentei no facebook que o pão estava delicioso mas meus braços estavam doendo, e alguém lembrou a cabeça de vento aqui, que eu poderia usar a máquina de fazer pão pra sovar a massa! e aí colega… eu nunca mais parei de fazer pão! Foi aí que me deu uma vontade louca do pão de mandioquinha da minha mãe… acontece que mandioquinha aqui na Alemanha… nunca vi! E então eu tive a brilhante ideia de substituir a mandioquinha pela batata doce daqui. Desde então, toda semana tem pão fresquinho de batata doce aqui em casa. E ele é tão gostoso que a gente não come só no café da manhã não.. 😛 Aí vai a receita: Pphoto 1ão de Batata Doce / Mandioquinha Ingredientes 500g de batata doce (ou mandioquinha, se você tiver a sorte de tê-las) 2 ovos 4 colheres de manteiga sem sal 1 lata de leite condensado 700g (tenha 1 kg à disposição) de Farinha de Trigo 2 tabletes de fermento biológico fresco OU 1 colher de sopa/pacote de fermento biológico seco 1 pitada de sal Modo de Preparophoto 4 Cozinhe as batatas sem casca e cortadas em pedaços menores até ficarem bem molinhas e faça um purê. (Eu uso a panela a vapor pelos motivos que descrevi aqui) Reserve. Em uma tigela misture o fermento, meia xícara de água morna e 4 colheres de farinha e deixe descansar por 30 minutos. (Este processo existe para crescer o fermento pela primeira vez – eu costumo misturar a farinha e o fermento e ir acrescentando a água aos poucos para facilitar a mistura e a farinha não empelotar). Depois de 30 minutos, a mistura terá dobrado de volume. photo 3Misture todos os ingredientes colocando a farinha por último e vá misturando e acrescentando farinha até dar o ponto da massa. A massa no ponto fica lisinha e desgruda das mãos. A massa de pão que leva leguminosas muitas vezes continua grudando um pouquinho nas mãos, e não tem problema. Eu costumo usar um pouco de farinha pra separar as partes da massa (essa massa rende muito e como se vê pelas fotos eu uso 3 formas) e coloco direto na forma mesmo quando ela ainda está grudando um pouco. Se for fazer pãezinhos/bolinhas, fica mais difícil fazer sem estar no ponto, mas também dá. O problema é que quanto mais farinha você colocar, menos macio o pão vai ficar. Na máquina de fazer pão eu uso a função “massa” em que ela só sova e deixa a photo 5massa crescer. Mas eu não deixo a massa crescer na máquina, eu só uso a máquina pra bater a massa, depois eu coloco a massa na forma, e deixo ela crescer por 40 minutos. (Como aqui na Alemanha costuma ser frio, eu deixo a massa crescer dentro do forno desligado com uma assadeira com água quente embaixo) A forma precisa estar untada! e como eu odeio untar, eu uso a papel manteiga (back papier) que já comentei aqui. Depois disso eu bato uma gema e pincelo a gema por cima do pão, depois polvilho com açúcar cristal ou demerara. Deixe assar no forno 180° por 20 a 30 minutos (depende do forno). photo 2(1)

Raclette

Ainda não chegamos no pratos típicos alemães, mas estamos perto!

Raclette é um prato suíço que eu conheci através do meu marido. A primeira vez que ele me prometeu cuidar do jantar, ele fez raclette. Cozinhou algumas batatas e pronto. Até hoje este é um assunto polêmico aqui em casa, já que, naquela ocasião eu disse que ele não podia dizer que tinha “preparado” o jantar, e até hoje, quando faço raclette, ele insiste que eu também não cozinhei nada.IMG_2339

Há umas 3 semanas fomos convidados à casa de uns amigos e eles serviram raclette para o almoço. Foi a primeira vez que eu comi este prato no almoço e também a primeira vez que o comi à moda de outra família. Foi interessante por que lá eles serviram a raclette com várias coisas que eu nunca tinha imaginado e acabaram nos dando algumas idéias de como fazer a raclette se tornar mais atrativa pra nós mesmos na nossa casa.

Bom, comecemos do começo. Se você ainda não sabe o que é raclette, aí vai uma breve descrição.

A palavra raclette deriva do queijo do mesmo nome, que por sua vez deriva da palavra francesa “racler” que quer dizer raspar. Originalmente, o queijo é colocado perto do fogo e quando apresenta consistência mais macia, é raspado e colocado em cima da comida (normalmente batatas). O raclette também pode ser feito com uma máquina própria, que é basicamente uma grelha elétrica com espaço para pequenas “panelinhas” onde se coloca o queijo já fatiado para ser derretido. O raclette também é normalmente servido com picles e carnes frias. Mas você pode, basicamente, incluir qualquer coisa que você ache que combine com queijo e que possa ser IMG_2337grelhado na hora.

Na nossa casa, depois da apresentação do prato pelo meu digníssimo, nós costumávamos fazer raclette a noite. Por que não incluíamos muitos outros ingredientes além do queijo e das batatas e acabava virando uma refeição leve. Na casa dessa nossa amiga, eles serviram a raclette com carne vermelha, tanto em forma de filé como em forma de carne moída (preparada como hambúrguer) e mais um monte de outras coisas como legumes, macarrão, etc.

Foi aí que eu comecei a enxergar a raclette mais como uma refeição que poderia ser servida no almoço, principalmente em dia de mais preguiça ou que teríamos um jantar mais pesado.

No Brasil, nós fizemos raclette algumas vezes. Mas como lá o tempo, normalmente, é mais quente, ficava difícil jantar no calor com aquela grelha em cima da mesa. (Imagina comer em volta da churrasqueira no verão!). Por isso, fizemos poucas vezes e sempre no inverno. Como lá não encontrávamos queijo próprio pra raclette, usávamos outros tipos de queijo mesmo (mussarela, queijo prato, provolone, gorgonzola, etc) e ficava uma delícia.

Já tínhamos feito algumas vezes aqui na Alemanha também, inclusive como almoço nos dias do Natal e véspera de Ano Novo. E neste final de semana, minha cunhada veio nos visitar, e “solicitou” que o prato fosse servido durante a visita dela. 😉

E foi o que comemos no almoço de sábado.

Na descrição original do raclette as batatas podem ser cozidas ou assadas. Aqui eu costumo cozinha-las normalmente IMG_2341(com casca e tudo – bem lavadas) e depois embrulho em papel alumínio para que elas continuem quentes por mais tempo.

Depois do raclette na casa dos nossos amigos, nós então decidimos incluir mais algumas coisas na “receita” e como não costumamos comer muita carne vermelha, nosso raclette agora é regado a filézinhos de frango, camarão, bacon e cogumelos paris (os dois últimos a gente já costumava incluir). Outra coisa que fica à disposição são temperos diversos, como pimenta, azeite, salsinha e manjericão (frescos ou não), orégano, sal.. seja para colocar no queijo a ser derretido ou para temperar a batata. Outra coisa que fica bem gostosa se incluída são aspargos, e estou pensando seriamente em incluir brócolis da próxima vez.

E vocês, já conheciam Raclette?

* Dica do maridão: se for fazer raclette, feche as portas de todos os outros cômodos da casa e lembre-se de tirar o varal da sala (se você, como nós, secar as roupas dentro de casa no inverno)! a casa fica cheirando a raclette por uns 2 dias! 🙂

Almôndegas Recheadas

E aí que ontem tive que pensar em algo pra fazer com o resto de carne moída que tinha na geladeira… A Grüne Kiste chegou, mas não tinha nada que combinasse muito com carne moída… pensei em fazer um macarrão a bolonhesa, pensei em fazer hambúrgueres.. e acabei decidindo por fazer almôndegas. Eu nunca tinha feito almôndegas mas sabia que não devia ser nenhum bicho de 7 cabeças..

Fiz uma busca no tudogostoso.com.br e achei algumas receitas de almôndegas com ingredientes que eu tinha em casa, com fotos apetitosas e comentários positivos 🙂 Gostei de uma receita específica mas também gostei da ideia de recheá-las com queijo, o que aparecia em um outra receita. Então adaptei a receita ao nosso gosto 🙂IMG_2303

A receita original que usei como base você pode encontrar aqui.

O que eu mais achei legal na minha navegação pelas receitas disponíveis, foi descobrir que dá pra fazer almôndegas com aveia. Como eu tinha farinha de rosca em casa (que eu mesma fiz, pois ainda não descobri como comprar isso aqui na Alemanha) eu usei essa farinha mesmo, mas bom saber que posso usar aveia também… e se dá pra fazer almôndega, também dá pra fazer hambúrguer 🙂

Eu também não tinha 1/2 kilo de carne pra fazer (afinal eu tinha usado metade da carne pro escondidinho) e nem queria, pois aqui em casa somos 2 pessoas e 1/2… e eu odeio sobra de comida 🙂 Eu usei 200g de carne moída e deu pra fazer 10 almôndegas. Pra 2 pessoas e 1/2 foi mais do que suficiente.

IMG_2304Pois então, quando o marido chegou, perguntei se ele preferia as almôndegas com molho de tomate com macarrão ou com molho “tipo madeira” com batatas e ele preferiu a primeira opção. Então o molho “tipo madeira” vai ficar pra uma próxima.

Eu ainda não cheguei no nível master de cozinha a ponto de fazer o meu próprio molho de tomate, ok? eu já poderia ter tentado… mas confesso que tenho um pouco de preguiça… Eu até já dei pin em algumas receitas de molho caseiro no Pinterest.. quem sabe o Blog não me dá uma motivada de tentar em breve? Normalmente eu dou uma incrementada no molho industrializado, acrescento uma cebola picada ou azeitonas, mas ontem ele ficou exatamente do jeito que saiu do vidro.

Você pode até pensar que deve dar o maior trabalhão, ter que enrolar as almôndegas e tal… mas na verdade ficou tudo pronto em 45 minutos. Claro, que se eu tivesse feito o molho caseiro, teria demorado mais.

Depois eu fiquei pensando, que justamente na primeira semana do blog, eu só fiz “comfort food” rs… essa semana o cardápio não foi lá dos mais saudáveis, eu confesso. Vou me esforçar mais no futuro 😛

Então aí vai a minha receita:

Almôndegas Recheadas (para 2 pessoas)

Ingredientes

200g de carne moída (eu encontro no mercado aqui uma opção light, com menos gordura)

1 ovo

3 colheres de farinha de rosca*

1 colher de azeite

2 dentes de alho amassados

3 folhas de manjericão fresco (ou manjericão seco a gosto)

sal a gosto

pimenta vermelha seca a gosto

50g de mussarela ralada

1 vidro do seu molho de tomate pronto preferido

Modo de Preparo

Em uma tigela misture a carne, o ovo,o azeite, o alho e os temperos. Misture tudo muito bem e por último acrescente a farinha de rosca* aos poucos até chegar em uma consistência de massa. Abra, nas mãos, uma quantidade dessa “massa” para formar uma bolinha, coloque um pouco do queijo dentro, e feche em forma de bola. As duas primeiras bolinhas me deram um pouco de trabalho, mas logo peguei o jeito 😉

As almôndegas devem ser levemente fritas antes de serem colocadas no molho. Eu usei a Air Fryer (7 minutos a 200°C), mas você também pode usar uma frigideira com um pouco de óleo ou azeite. Ou, você também pode fazer no forno (o que é mais saudável) você precisará coloca-las em uma assadeira com papel vegetal, no forno a 180°C por uns 30 a 45 minutos (virar na metade do tempo). Como você pode ver pelas fotos, o queijo tentou fugir das almôndegas (risos) mas não o suficiente a ponto de elas não ficarem deliciosamente recheadas 😉

Enquanto frita as almôndegas, aqueça o molho de tomate em uma panela média. Eu, normalmente acrescento um pouco de água (1/2 medida do próprio vidro do molho já basta) e deixo o molho ferver e apurar um pouco. Quando o molho estiver fervendo, abaixe o fogo, acrescente as almôndegas já fritas, deixe cozinhar por alguns minutinhos.

Eu tentei fazer apenas 1/2 vidro de molho, achei que seria suficiente, mas o marido gosta do macarrão mais molhadinho, então acabou esquentando o restante do molho depois. Nada que não se possa adaptar ao longo do caminho 😉

IMG_2306

* se você também não sabe comprar farinha de rosca fora do Brasil, saiba que é muito fácil de fazer! basta torrar qualquer pão branco velho que você tenha em casa, e depois bater no liquidificador ou em um processador até as torradas virarem pó!