Batatas Gratinadas

Nada como um prato único na hora do jantar… sujar só um pirex, tudo no mesmo recipiente, pá pum! IMG_2928

Eu costumo fazer gratinados com macarrão..mas as vezes uma batatinha faz falta, né?

Essa maneira de fazer as batatas foi uma agradável surpresa em um destes dias que você resolve pedir comida em casa, quer comer algo um pouco mais saudável e acaba pedindo a única opção que tem brócolis rs… Acabei por descobrir que é um prato bastante comum nos cardápios de entrega de restaurantes por aqui.. meio que como um coringa… não está afins nem de pizza e nem de macarrão? peça um Gratin!

Pois bem.. a família aprovou o prato e eu tratei de inventar uma versão minha.

IMG_2929Da primeira vez que eu fiz, eu caí na besteira de achar que poderia colocar os legumes crús no forno, já com todos os ingredientes.. mas o queijo gratinou logo e as batatas não ficaram cozidas o suficiente.. então, eu cheguei a conclusão que não dá pra ser tão fácil assim, por mais fácil que seja! E decidi que preciso cozinhas, ao menos as batatas e os brócolis, antes de colocar a mistura no forno.

Outra coisa que fiz diferente desta vez, foi que incluí queijo Feta na mistura. E garanti a aprovação do marido 😉 (segundo ele qualquer coisa que leva queijo feta fica gostosa). E afinal, você pode mesmo colocar o que bem entender neste prato.. desde que você goste, e que você cozinhe antes se o ingrediente precisar de mais tempo pra IMG_2930cozinhar 😉

E aí vai a receita:

Batatas Gratinadas

Ingredientes

4 batatas médias

4 “árvores” de Brócolis

4 cogumelos cortados

2 colheres de sopa de bacon picado

1/2 xícara de queijo Feta em IMG_2931pedaços

1 copo de Creme Fraiche

1 e 1/2 xícara de mussarela ralada

salsinha, sal e pimenta a gosto

Modo de Preparo

IMG_2932Cozinhe as batatas e o brócolis (de preferência no vapor) até ficarem al dente. Retire o excesso de água, e coloque em um pirex, cortados em pedaços pequenos, junto com os cogumelos, o bacon e o queijo Feta. Tempere, despeje o Creme Fraiche e misture bem até que todos os pedaços dos legumes estejam cobertos. Cubra tudo com o queijo mussarela. Leve ao forno 180° por 10 minutos, e use a função gratinar por mais 5 a 10 minutos (até que o queijo esteja gratinado). Sirva ainda quente.

IMG_2934

Anúncios

Minha cozinha organizada (e sem desperdício)

Dia de supermercado, feira, entrega da Grüne Kiste, aqui em casa, são todos dias de organização.

É recente a minha maneira de organizar as coisas na cozinha, é verdade… Fui morar sozinha pela primeira vez em 2005, quando tinha 24 anos. Antes disso eu morava com a minha mãe e meu irmão, e embora eu ajudasse tanto nas despesas como no cuidado da casa, eu nunca me preocupei com quantidades e desperdício de comida. E na verdade, esta preocupação também não veio logo que saí da casa da minha mãe.

Por muito tempo, morando sozinha, eu comia na rua de dia, e tomava lanche a noite… como a maioria das geladeiras de solteiro, a minha tinha: manteiga, leite, açucar e frios – e quem sabe uma pizza congelada no congelador.IMG_2869

Em 2007 fui pra Dinamarca me juntar com o meu – na época – namorado (que hoje é marido) e a nossa realidade começou a mudar um pouco… mas ter um mercado em frente ao prédio não me obrigava a pensar muito nestas coisas.. eu ia ao mercado várias vezes por semana e comprava fresco o que ia preparar no dia.

Eu acho que foi mesmo depois que o pequeno nasceu (2012), que eu comecei a considerar que precisava pensar melhor em como organizar a minha cozinha pra não jogar comida fora… e neste período de uns 3 anos, entre o nosso retorno ao Brasil e o nascimento dele, muita coisa estragou na geladeira..

Se eu disser que hoje nada vai pro lixo, vou estar mentindo… mas só vai o que realmente não tem salvação e o que eu não consegui evitar.. as laranjas ainda são o meu maior problema.. mas eu acho que a questão mesmo é que 1. elas já chegam aqui na Alemanha (nesta época do ano) com os dias contados e 2. a minha geladeira é pequena demais e eu acabo tendo que deixá-las de fora..

Desde o plano real, quando nós paramos de fazer compras de mês (e eu ainda era uma criança), eu parei de pensar nIMG_2413a utilidade do freezer. Sempre tive, ou um congelador, ou um freezer muito pequeno e, de alguma forma, acreditava que ele servia mesmo era pra colocar as pizzas congeladas, as batatas fritas mccain e aquela sopa que sobrou, fiquei com pena de jogar no lixo e acabei jogando no lixo 1 ano depois… sabe como é?

Foi mesmo quando o pequeno começou a comer, que eu voltei a pensar na utilidade do freezer, e também nas formas de manter nossos alimentos frescos por mais tempo na geladeira. As papinhas eram feitas no final de semana e congeladas para o resto da semana, as frutas nunca eram utilizadas inteiras e acabavam sendo guardadas em pedaços na geladeira… e eu comecei a pensar mais em preparar os IMG_2501alimentos frescos e utilizar menos os industrializados.

Foi aí que eu comecei a pensar melhor em como armazenar estes alimentos. Ainda estou longe da perfeição, mas hoje tenho a consciência bem mais tranquila.

Hoje eu fui ao supermercado e é lá que eu compro as carnes que comemos durante a semana. Eu já pensei muito em fazer um cardápio para a semana mas eu tenho muita dificuldade em seguir com o planejamento… então eu prefiro separar as carnes em porções menores (do tamanho da nossa família) quando chegamos em casa, e congelar. Desta forma eu posso decidir no dia o que eu estou com vontade de fazer e o que vai agradar o paladar de todos.

Os peixes e frutos do mar eu compro já congelados, de preferência aqueles que são congelados individualmente ou em porções pequenas. Mas os frangos e as carnes eu compro frescos, chegando em casa separo, coloco em um saquinho zip loc com data e nome, e congelo. Dificilmente eles ficam no freezer por mais do que 1 mês. Já que eu estou sempre usando o que congelei.

Amanhã chegam as frutas, legumes e verduras. O que mais me incomoda são os ramos ENORMES de verduras… Se eu pudesse, compraria alface, agrião, couve, etc por gramas! Os ramos são muito grandes e eu nunca consigo preparar tudo na sequência pra não estragar… então o que eu faço é o seguinte:

verduras cruas: Ex.: Alface, agrião, rúcola

Lavo tudo, tiro o excesso de água, e armazeno em um pote de plástico. Dura cerca de 2 semanas.

Verduras cozidas: Ex: Couve

Dou um choque térmico nelas. Jogo água fervente, seco e congelo em porções menores.Na hora de preparar, ela pode ser cozida imediatamente. Não precisa descongelar.

Fiz isso com um ramo de Grünkohl que recebi na Grüne Kiste. Ela tem o mesmo sabor da nossa couve manteiga. Agora sempre que tem feijão preto, tem couve também 😀

Os legumes e as frutas tem macetes específicos, eu normalmente sigo tabelas como esta: E o que mais “pega” aqui, são aquelas coisinhas que a gente abre uma lata ou um pacote e acaba não usando tudo. Pra estas coisas eu adoro os meus potes de vidro pequenos. Aquela metade cebola que você nao usou, até pode ser IMG_2462armazenada, desde que ela seja colocada em um vidro muito bem fechado! a cebola “atrai” todas as bactérias do ambiente. Deixar uma cebola aberta na geladeira e usar no dia seguinte é um veneno! O pacote de bacon que não foi todo utilizado, aquele limão que eu usei só uma metade, a lata de atum que não foi inteira na receita, tudo isso volta pra geladeira dentro de um vidrinho bem fechado. Mas tem que ser utilizado na mesma semana!

Eu também tento sempre aproveitar as cascas de camarão pra fazer caldo de camarão, os talos dos legumes para fazer caldo de legumes e os ossos do frango que desossei para fazer caldo de frango.

Outra coisa que comecei a congelar recentemente foi pão. Aqui na Alemanha a gente não costuma comprar pão fresco na padaria todos os dias. As vezes eu faço pão em casa, mas nem sempre. Comprávamos sempre 2 pães de forma frescos no supermercado, mas quando chegava no final do segundo, metade acabava indo pro lixo por que já estava mofando… então agora eu chego em casa com o pão fresquinho, e já coloco no freezer. Só tiro na noite anterior. Pronto, nada de pão mofado!

E vamos nós 🙂 Ainda vai mais coisa fora do que eu gostaria.. mas um dia chego lá 😉

Panquecas Escandinavas

Minha referência de panquecas sempre foi a daquelas salgadas com recheio de frango ou carne moída que minha mãe costumava fazer para o almoço e servir com salada/arroz, molho vermelho ou molho branco. Lembra?

E, eu mesma, nunca fiz desse jeito… confesso que até gostava quando a minha mãe ou a minha avó faziam, mas sempre achei que dava muito trabalho e nunca fiz em casa.IMG_2809

Acontece que quando morei na Noruega, descobri uma outra versão das nossas panquecas… a mesma massa fininha feita com leite e ovos, só que em forma de sobremesa ou de lanche com recheio doce 😀 Yummy!

Lá, o recheio principal era açucar e limão. Isso mesmo.. açucar polvilhado por cima da massa, algumas gotinhas de limão, enrolar, e se deliciar 🙂 A exemplo do Crépe francês que a gente costuma comer nas barraquinhas dos shoppings no Brasil ou em qualquer barraquinha de rua aqui na Alemanha, você também pode rechear as panquecas com geléia, nutela, frutas, etc etc etc

Então, como aqui em casa eu costumo fazer comida quente para o jantar de segunda a sexta, já que todos nós almoçamos separados ou fora de casa, no sábado e domingo eu costumo tentar fazer algo mais casual pro jantar, já que, nestes dias, nós já almoçamos juntos e eu garanto a presença de legumes e vegetais nesta refeição 😉

O cardápio normalmente varia entre pizza feita em casa (ocasião em que eu preciso fazer um omelete pro pequeno que, pasmem, não gosta de pizza), pães e frios, waffles, omelete, etc… e dia desses, na minha tentativa de fazer algo diferente, fiz as nossas queridas panquecas escandinavas. 😀IMG_2810

O primeiro passo, como sempre, foi buscar uma receita fácil, e com ingredientes que eu tivesse em casa, na internet.

Meu querido Pinterest foi o escolhido para esta busca, mas inicialmente, uma busca somente por “Pancakes” não foi muito bem sucedida, já que a versão de panquecas dos americanos é aquela gordinha que eles comem com Mapple Sirup no café da manhã. Busquei então algo como “flat pancakes” ou “Swedish pancakes” e aí achei! O mais engraçado foi que eu encontrei esta receita, achei ela meio, sei láIMG_2811, complexa, li os comentários do post, e gostei de uma moça que comentou que era sueca e que fazia as panquecas dela sem fermento, fui dar uma olhada lá no blog dela, e foi esta receita que eu acabei fazendo. 🙂

O que foi mais engraçado é que nos ingredientes, ela incluiu a manteiga sem especificar se ela ia na massa ou não, e eu, desligada, ao ler o modo de preparo, simplesmente incluí a manteiga no restante dos ingredientes sem perceber que na receita ela não falava para incluir… enfim… coloquei a manteiga, percebi a caca, passei a massa na peneira… rs… e deu super certo, tá? 😛

Deu massa pra caramba! eu achei que era muito, fiz metade, ficou todo mundo com fome, voltei pra cozinha, e fiz o resto 🙂 acabou sobrando umas 4 pro café da manhã do dia seguinte  😉

Aí vai a receita:

Panquecas Escandinavas (esta é a minha versão, e eu conheci as panquecas na Noruega :P)

IngredientesIMG_2815

3 ovos
1 ¾ xícaras de farinha
3 1/3 xícaras de leite
1 colher de chá de sal
½ colher de chá de açúcar
1 colher de sopa de açucar de baunilha ou 1 colher de chá de extrato/essência de baunilha
Manteiga para untar a frigideira (!)

Geléia, Nutela, Açucar, Canela, etc para rechear

Modo de Preparo

Misture os ovos e uma parte do leite, adicione a farinha, o sal, o açúcar e a baunilha e então o restante do leite.IMG_2816

Aqueça a frigideira em forno alto, pincele um pouco de manteiga no fundo, acrescente meia concha da massa e espalhe bem (simplesmente mexendo a frigideira). Quando a massa formar bolinhas e estiver firme, use uma espátula de silicone para virar (eu prefiro usar uma frigideira pequena/média por que facilita este processo).

Misture a massa de vez em quando para evitar que a farinha se acumule no fundo da vasilha.

Repita o processo até a massa estar toda em forma de panquecas 🙂

Voi lá!

IMG_2819