Batatas-doces fritas

IMG_3919Depois de muuuito tempo sumida. Aqui estou eu, de volta!

Andei doente nos últimos tempos, e por isso, além de tirar umas férias da minha cozinha e das experiências com novas receitas, acabei tirando também, umas férias do Blog.

Durante este período, minha mãe veio me ajudar e a gente testou algumas das receitas que eu vinha namorando há um tempo. Acabei não documentando pra colocar aqui no Blog, mas assim que fizer de novo, posto aqui.

Ontem foi a primeira vez, depois de bastante tempo, que tentei algo novo (e que deu certo) na cozinha. Já vinha querendo fazer batatas fritas com a batata doce, na verdade até já tinha tentado, mas ainda não tinha dado certo. A batata doce que encontro aqui na Alemanha é bem diferente da nossa batata doce brazuca. Eu já falei um pouco dela aqui. Além de deliciosa, ela é super nutritiva. Acontece que ela tem uma consistência muito diferente da batata inglesa, e fritá-la não é nada simples.

Como já comentei antes, não costumo fazer frituras aqui em casa. Normalmente uso a Air fryer, ou faço no forno mesmo. Então já tinha procurado algumas receitas antes, e já tinha tentando tanto no forno, como na Air Fryer, e não tinha dado certo.

Até que eu comi umas batatas-doces fritas em um restaurante, e percebi que elas tinham algo de diferente na superfície, que as deixava crocante.. e um belo dia, meu Pinterest me mostrou esta receita. Na verdade eu nem precisei ler a receita… bastou ver a figura com o passo-a-passo e entender que o ingrediente secreto era….. tcharaaamm! AMIDO DE MILHO!

E então, ontem, junto com um salmãozinho no papilote (sem os aspargos) e alguns cogumelos recheados, decidi me aventurar mais uma vez e tentar as batatas fritas. E o resultado foi: Sucesso!!

Aí vai a minha versão da receita:

Batatas-doces fritas

Ingredientes:IMG_3926

2 batatas-doces médias

2 colheres (sopa) de amido de milho

2 colheres (sopa) de azeite (meu mais novo melhor amigo é o azeite em spray!)

sal e tomilho à gosto

Modo de Preparo:

Descasque as batatas e corte-as em palitos. Lave as batatas já cortadas, e escorra o excesso de água.

Em um saco ziploc, coloque o amido de milho, e em seguida as batatas cortadas. Feche o saco e chacoalhe bem até todas as batatas estarem cobertas com um pouco de amido.

Aqui vc precisa decidir se vai prepará-las no forno, no óleo ou na Air Fryer.

Eu preparei na Air Fryer, e por isso, já coloquei o azeite e os temperos no mesmo saco para misturar bem. Além de colocar o azeite normal, depois que elas já estavam na Air fryer, eu usei o azeite em spray para ter certeza que o azeite tinha pego todas elas. Se você usar o forno, você pode fazer o mesmo, mas é importante lembrar que as batatas precisam ficar bem separadas umas das outras, e que o ideal é usar papel vegetal e passar o spray de azeite por cima do papel para evitar de grudar. Se decidir fritá-las no óleo, retire o azeite da receita, e jogue as batatas cobertas em amido e temperadas no óleo quente.

Anúncios

Pilhas de Batata doce com Alecrim e Camarões à moda Mongol

Mesmo estando há tempos afastada do Blog, ainda tenho tentado coisas novas na cozinha… Estou sempre pelo Pinterest, guardando idéias e receitas que tenho vontade de tentar, mas na maioria das vezes, nos últimos meses, minha cozinha não tem mesmo saído muito do comum.

Ontem, no entanto, domingo, Papai levou o pequeno pra mexer a cadeira na academia, e eu resolvi fazer um almoço mais sofisticado. Duas coisas que sempre tenho em casa: Batata Doce na geladeira (como vocês já devem ter percebido – os meninos adoram) e Camarões no freezer.

Aqui na Alemanha eu compro os camarões sempre congelados. Primeiro porque é difícil encontra-los frescos (ao menos nos mercados onde costumo ir) segundo por que eu nunca sei quando vou preparar… gosto IMG_3211de decidir assim na hora (ou algumas horas antes / a tempo de conseguir descongelar naturalmente) então é muito mais fácil tê-los à disposição no congelador.

Camarões não precisam de muito tempo para descongelar. Basta deixá-los um pouquinho em temperatura ambiente, e passar na água corrente pra tirar o gelo. Na verdade é até mais fácil descascá-los quando ainda estão um pouquinho congelados. Eu sempre compro camarões com casca mas sem cabeça. A casca pode ser utilizada para fazer um caldo de camarão, e eu me sinto mais a vontade em limpá-los eu mesma.

Limpar camarões é bem menos complicado do que parece. Se você comprá-los inteiros, vai dar um pouquinho mais de trabalho, mas também é tranquilo. Primeiro você arranca a cabeça, depois tira a casca do corpo (puxar pelas pernas é mais fácil) e para tirar o rabo, basta dar alguns puxõezinhos delicados nele, que ele sai. Depois você vai precisar usar uma faca afiada, passá-la pelas costas dele, e retirar a “minhoquinha” de sujeira mais escura que fica alí. Pronto.

Outra coisa que acho relevante na hora de comprar camarões, é verificar se ele são pré-cozidos. Isso fará muito diferença na hora de decidir quanto tempo eles poderão ficar no fogo sem correr o risco de ficarem duros. A grande questão na hora de fazer camarão é que ele não pode ficar muito tempo cozinhando ou vai ficar duro. O pré-cozidos costumam ter uma cor já IMG_3213rosada, enquanto que o que está totalmente crú normalmente tem a cor cinza (a não ser que ele seja uma camarão rosa). Se ele for pré-cozido, deve deixar pra colocar por último em qualquer receita, e nunca deixar ultrapassar 2 minutos de cozimento (1 de cada lado se for fritar). Se estiverem crús, dá pra relaxar um pouquinho e passar um pouco dos 5 minutos no total.

Bom, ontem eu fiz uma receita de Camarão à moda Mongol que já tinha encontrado no Pinterest faz tempo e que da última vez que eu tinha feito, caí na besteira de tentar frita-los na Airfryer e me arrependi, Eu comentei sobre este episódio aqui e a receita original está disponível aqui. Desta vez eu fui politicamente incorreta e os fritei em um pouco de óleo mesmo e ficou uma delícia. A minha versão da receita está lá embaixo.

Para acompanhar os camarões, eu fiz uma receita que achei no Pinterest e que já estava namorando há tempos… Até comprei um ralador para fatiar as batatas bem fininhas por causa dela, e também óleo de côco, um ingrediente que eu nunca tinha usado na vida, mas que foi uma grata surpresa.

O segundo acompanhamento que fiz foram uns cogumelos recheados. Que desta vez recheei apenas com um pouquinho de requeijão*, mussarela ralada e parmesão ralado.

Aí vão as receitas!

Camarões à moda Mongol (para 3 pessoas)

Ingredientes:

400g de camarões cinzas grandes (preferencialmente crús, e descascados)

3 colheres de sopa de amido de milho

óleo vegetal (para fritar) eu usei 1 colher de sopa de óleo para cada leva de camarões que cabiam no fundo da Wok (frigideira).

Para o molho:

1/2 xícara de molho de soja (shoyu)

3 colheres de sopa de açucar demerara (se não tiver, pode usar o comum)

1 colher de sobremesa de gengibre fresco ralado

1 colher de sopa de álho triturado ou picado

1/2 colher de sopa de pimenta vermelha seca

1 xícara de água (que vai ser misturada ao amido de milho que sobrará do camarão)

2 colheres de sopa de vinagre de arroz (opcional – ontem eu esqueci e nem fez falta)

1 ramo de cebolinha picada

Modo de Preparo:IMG_3210

Depois de descascar e limpar os camarões, retire bem o excesso de água e utilize papel toalha para secá-los bem. Em uma tigela pequena e seca, acrescente o amido de milho e chacoalhe bem até que todos os camarões estejam cobertos pelo amido.

Em uma panela Wok, ou uma frigideira, aqueça o óleo, e coloque os camarões delicadamente para fritá-los dos dois lados. Vire cada um deles quando o lado de baixo estiver rosado (cerca de 1 minuto) e reserve os camarões já fritos. Não tem problema se eles ainda estiverem um pouco crús, você vai terminar de cozinhá-los no molho.

Na mesma friIMG_3214gideira, abaixe o fogo, deixe-a esfriar um pouco e acrescente um pouco mais de óleo, em seguida, acrescente o álho, o gengibre e a pimenta, frite apenas até o cheiro se soltar (cerca de 15 segundos), coloque a água dentro da tigela que ainda contém amido de milho do camarão, acrescente na Wok o molho de soja, o açúcar, o vinagre de arroz, e em seguida a mistura de água e amido de milho. Deixe a mistura ferver até que o molho tenha engrossado. Coloque de volta os camarões, e a cebolinha picada e retire do fogo.

Pilhas de Batatas doce com Alecrim (para 3 pessoas)IMG_3207

Ingredientes:

2 batatas doces grandes, descascadas e em fatias finas

1 colher de sopa de manteiga derretida

1 colher de sopa de óleo de côco derretido (eu derreti os dois juntos no microondas IMG_3208por 30 segundos)

2 colheres de sopa de queijo parmesão ralado (reserve um pouco para finalizar)

1 colher de chá de alecrim (reserve um pouco para finalizar)

Sal e Pimenta a gosto

você vai precisar de uma forma para muffins/cupcakes

Modo de Preparo:

Em uma tigela grande, misture a manteiga e o óleo de côco já derretidos, IMG_3209acrescente o queijo ralado, os alecrim, o sal e a pimenta. Em seguida, acrescente as batatas, e misture bem. Não deixe que a mistura esfrie muito pois a manteiga e o óleo de côco endurecem novamente muito rápido. Empilhe as fatias das batatas nos copinhos da forma de muffins. Asse em forno pré-aquecido a 200°C por 30 minutos (ou até que as bordas estejam douradas e os meios macios). Finalize polvilhando as pilhas com mais queijo ralado e alecrim.

* Você sabia que aqui na Alemanha também tem requeijão? Descobri faz pouco tempo. Aqui você vê uma foto da embalagem pra procurar por aqui quando quiser comer um requeijãozinho 😉

IMG_3215

Pão de Batata Doce

Quando nos mudamos pra Dinamarca, eu comprei uma destas máquinas de fazer pão, por que sabia que lá não teria a opção de comprar pão fresco pela manhã como fazemos no Brasil. Nós usamos muito a máquina, mas os pães feito por ela nunca superaram os pães verdadeiramente caseiros. Aqui na Alemanha existem sim padarias (mesmo que não exatamente no modelo que conhecemos) e é possível comprar pão fresco de manhã. Aqui existe, aliás, uma gama enorme de opções de tipo de pão, e quanto mais escuro o pão, mais popular e mais fácil de você encontrar. photo 6Aqui em casa o café da manhã ainda é, basicamente, pão. E nós, normalmente, compramos estes pães de fôrma beeem escuros e beeem cheios de sementes no mercado mesmo (mas feito na hora) e comemos este mesmo pão a semana toda. Eu confesso que não curto muito os pães integrais.. ainda mais estes bem escuros e duros mesmo como tem aqui, mas é bem verdade que esta é a opção mais saudável. Eu comentei aqui que quando começamos com a Grüne Kiste eu fiquei com um estoque grande de batatas por que ainda não sabia como alterar a compra da semana, lembra? Pois bem, quando isso aconteceu, eu decidi fazer pão com as batatas para usar logo o meu longo estoque, e o gostinho de pão caseiro me fez lembrar que eu sei fazer pão e que não tem nada mais gostoso do que um bom pão caseiro. Umas das memórias mais gostosas da minha infância é de um pão de mandioquinha (batata baroa) que a minha mãe costumava fazer. Quando eu já era adolescente, eu fiz este pão uma vez, mas deste episódio o que ficou mais vivo na minha memória foi o trabalho que dava descascar e amassar a bendita mandioquinha. Tanto que a segunda vez que tentei fazer fiquei com preguiça e a mandioquinha azedou na geladeira de um dia pro outro. Quando já estava casada, um belo dia, senti uma vontade enorme de comer este pão e pedi a receita pra minha mãe. Desta vez, já mais descolada, eu já cozinhei a mandioquinha descascada e usei o meu amassador para amassar a benditas. Sucesso! o pão ficou maravilhoso como sempre, mas me lembrei do trabalho que dava sovar a massa e chegar no ponto de pão…photo 2 Pois bem, quando decidi fazer o tal pão de batata, comentei no facebook que o pão estava delicioso mas meus braços estavam doendo, e alguém lembrou a cabeça de vento aqui, que eu poderia usar a máquina de fazer pão pra sovar a massa! e aí colega… eu nunca mais parei de fazer pão! Foi aí que me deu uma vontade louca do pão de mandioquinha da minha mãe… acontece que mandioquinha aqui na Alemanha… nunca vi! E então eu tive a brilhante ideia de substituir a mandioquinha pela batata doce daqui. Desde então, toda semana tem pão fresquinho de batata doce aqui em casa. E ele é tão gostoso que a gente não come só no café da manhã não.. 😛 Aí vai a receita: Pphoto 1ão de Batata Doce / Mandioquinha Ingredientes 500g de batata doce (ou mandioquinha, se você tiver a sorte de tê-las) 2 ovos 4 colheres de manteiga sem sal 1 lata de leite condensado 700g (tenha 1 kg à disposição) de Farinha de Trigo 2 tabletes de fermento biológico fresco OU 1 colher de sopa/pacote de fermento biológico seco 1 pitada de sal Modo de Preparophoto 4 Cozinhe as batatas sem casca e cortadas em pedaços menores até ficarem bem molinhas e faça um purê. (Eu uso a panela a vapor pelos motivos que descrevi aqui) Reserve. Em uma tigela misture o fermento, meia xícara de água morna e 4 colheres de farinha e deixe descansar por 30 minutos. (Este processo existe para crescer o fermento pela primeira vez – eu costumo misturar a farinha e o fermento e ir acrescentando a água aos poucos para facilitar a mistura e a farinha não empelotar). Depois de 30 minutos, a mistura terá dobrado de volume. photo 3Misture todos os ingredientes colocando a farinha por último e vá misturando e acrescentando farinha até dar o ponto da massa. A massa no ponto fica lisinha e desgruda das mãos. A massa de pão que leva leguminosas muitas vezes continua grudando um pouquinho nas mãos, e não tem problema. Eu costumo usar um pouco de farinha pra separar as partes da massa (essa massa rende muito e como se vê pelas fotos eu uso 3 formas) e coloco direto na forma mesmo quando ela ainda está grudando um pouco. Se for fazer pãezinhos/bolinhas, fica mais difícil fazer sem estar no ponto, mas também dá. O problema é que quanto mais farinha você colocar, menos macio o pão vai ficar. Na máquina de fazer pão eu uso a função “massa” em que ela só sova e deixa a photo 5massa crescer. Mas eu não deixo a massa crescer na máquina, eu só uso a máquina pra bater a massa, depois eu coloco a massa na forma, e deixo ela crescer por 40 minutos. (Como aqui na Alemanha costuma ser frio, eu deixo a massa crescer dentro do forno desligado com uma assadeira com água quente embaixo) A forma precisa estar untada! e como eu odeio untar, eu uso a papel manteiga (back papier) que já comentei aqui. Depois disso eu bato uma gema e pincelo a gema por cima do pão, depois polvilho com açúcar cristal ou demerara. Deixe assar no forno 180° por 20 a 30 minutos (depende do forno). photo 2(1)

Escondidinho de carne moída e batata doce

Há 3 semanas que não recebemos a Grüne Kiste por causa das festas de final de ano. Como eu sempre recebo às quintas-feiras e neste ano tanto o dia do Natal como o 1° de Janeiro caíram em uma quinta-feira, nada de Grüne Kiste pra gente 😦

Isso é uma das coisas que sinto bastante a diferença entre Brasil e Alemanha. Aqui, o descanso vem antes do serviço. Domingos e feriados você não vai encontrar nenhuma loja aberta. No máximo restaurantes (nem todos) e as lojas na Estação central de trem. Não existe mercado 24 horas (pelo menos não aqui em Hamburgo). Faltou um ovo na receita do almoço de domingo? ou você tem intimidade o suficiente pra pedir pra vizinha, ou vai ter que fazer sem o ovo mesmo. Eu acho legal que existe esta preocupação com o sagrado descanso, mas as vezes eu sinto falta de um mercado 24 horas ou de um prestador de serviços se virar nos 30 pra te atender durante as festas… Enfim, isso quer dizer que passamos 3 semanas sem produtos orgânicos, fresquinhos e a minha escolha, e tivemos que gerenciar a logística para abastecer a casa de forma que não precisássemos de nada durante os dias que todo o comércio estaria fechado (o que aqui, significa dias 24, 25 E 26 de dezembro + dias 31 e 1°). E aí, ontem foi quarta-feira, eu passei o início da semana tentando colocar a casa de volta em seu estado de limpeza anterior às férias e não fui ao mercado e quando decidi pensar no que fazer para o jantar, a oferta de coisas na geladeira e no freezer estava escassa. Tinha batata doce, tinha queijo, tinha carne moída congelada… Eu já tinha feito um escondidinho que foi aprovado pela família mas tinha feito com batatas “comuns” e então decidi tentar fazer com a batata doce.

O escondidinho é basicamente feito com uma carne refogada (sim, normalmente com carne seca) e um purê de alguma leguminosa (sim, normalmente mandioca), mas como já deve ser óbvio carne seca e mandioca são duas coisas que eu não encontro com facilidade aqui na Alemanha. Mas a verdade é que você pode fazer um escondidinho com qualquer proteína e com qualquer leguminosa, desde que você consiga fazer um refogado com a proteína e um purê com a leguminosa. Aí vai uma lista de coisas que você pode adaptar para fazer o escondidinho:

Proteína:

  • Carne Seca
  • Carne Moída
  • Frango
  • Camarão
  • Proteína de Soja

(hummm.. será que dá pra fazer com peixe? boa pergunta… acho que com bacalhau deve ficar uma delícia!)

Leguminosa:

  • Batata
  • Batata doce
  • Mandioca
  • Mandioquinha (batata baroa)
  • Abóbora
  • Cenoura

(se bobear dá até pra fazer com um destes nabos que tem por aqui mas que ainda não tive coragem de experimentar)

Então, o que tinha na geladeira ontem era batata doce e carne moída. Inclusive eu fiquei brava comigo mesma por que congelei a porção de carne moída inteira quando cheguei do mercado da última vez e agora vou ter que fazer carne moída hoje de novo… tinha muito, ia sobrar.. acabei descongelando e guardando metade da porção.. como não posso congelar de novo, tenho 24 horas pra usar em outra coisa.

Eu também tinha mais alguns cogumelos paris na geladeira e como hoje vão chegar mais cogumelos frescos na Grüne Kiste, resolvi fazer um acompanhamento de cogumelos recheados.

Então aí vão as receitas (para 3 pessoas):

Escondidinho de carne moída e batata doceIMG_2299

para a carne moída

Ingredientes

200g de carne moída

meia cebola pequena picada

2 dentes de alho picados

azeitonas picadas a gosto

2 colheres de sopa de extrato de tomate

1/2 tablete de caldo de carne*

1 copo de água

1/2 colher de óleo vegetal ou azeite

sal a gosto

Modo de preparo

Em uma panela média refogue a cebola, o alho e as azeitonas com o óleo/azeite e um pouco de sal. Quando estiver bem fritinho, abaixe o fogo e acrescente a carne moída e frite até ela estar toda cozida. Acresente o extrato de tomate e água, misture bem e deixe a água evaporar um pouco até que a carne fique cremosa.

Para o purê de batata doce

Ingredientes

uma batata doce grande

1 colher de sopa de manteiga

2 colheres de sopa de leite

sal a gosto

queijo parmesão ralado a gosto

(você também vai precisar de 100g de queijo mussarela ralado ou em fatias para montar o prato)

Modo de Preparo

Cozinhe a batata já descascada e cortada em pedaços menores até que ela fique macia. (Eu costumo usar uma panela de vapor para fazer isso. Cozinhar os legumes no vapor ajuda a manter as vitaminas no legume pois ela não se perde na água. Eu tenho uma panela de arroz oriental que eu costumo usar para cozinhar todos os legumes. Mas o cozimento no vapor pode ser feito com qualquer tipo de panela de vapor e até uma espagueteira – se você for cozinhar na água mesmo, considere então cozinhar inteira e com a casca.. vai levar mais tempo pra cozinhar e dar um pouco mais de trabalho pra esperar esfriar então descascar mas ao menos ela não vai perder tantas vitaminas na água). Amasse bem a batata misturando-a com a manteiga e o leite até formar um purê cremoso e grossinho (você pode amassar a batata usando um espremedor de batatas ou um amassador simples – pode até fazer isso com um garfo se não tiver outra coisa – mas se usar o amassador ou o garfo, faça-o em uma vasilha plástica ou de vidro. O amassador/garfo de metal na panela de metal/tefal/alumínio vai arranhar a sua panela e além de estraga-la vai deixar resíduos de metal/tefal no seu purê). Tempere com o sal e o queijo ralado.

Para a montagem do escondidinho

Use metade do purê de batata doce para cobrir o fundo de um pirex pequeno. Faça uma camada de queijo mussarela em seguida. Na próxima camada cubra o prato com a carne moída. Em seguida, cubra a carne moída com o restante do purê de batata doce. E finalmente uma última camada de queijo mussarela. Polvilhe com queijo ralado.

Coloque o escondidinho no forno alto por 5 minutos (se o seu forno for elétrico e você tiver a opção de assar só por cima utilize esta opçãfornoo) para gratinar.

Cogumelos recheados

Ingredientes

6 cogumelos paris grandesIMG_2301

azeitona picada

queijo mussarela ralado (ou qualquer outro queijo de sua preferência – como eu tinha um pouco de Gouda e Gruyère que sobraram do Natal, foi o que eu usei)

Modo de Preparo

Em uma assadeira pequena ajeite os cogumelos deitados de cabeça para baixo sem o talo (retire os talos delicadamentes com as mãos de forma a deixar um “buraco” dentro do cogumelo). Coloque um pouco de azeitona dentro de cada cogumelo, em seguida preencha o restante do espaço com queijo até cobri-los completamente (separadamente).

Asse em forno médio/alto por 10 minutos.

(eu coloquei o cogumelo no forno no modo normal para assar os primeiros 5 minutos, e nos 5 minutos restantes coloquei o escondidinho junto aumentando um pouco a temperatura e mudando o forno para gratinar – assim os dois pratos ficaram prontos juntos)

*sobre o caldo de carne e outros caldos industrializados: eu não gosto de usar este tipo de artifício na cozinha, pois estes caldos costumam ter muito sal e sódio, massss… as vezes eles dão um gostinho a mais em alguns pratos e eu uso esporadicamente com bastante parcimônia (por isso apenas 1/2 tablete aqui). Para melhorar a minha consciência, eu costumo comprar os meus caldos no Alnatura, que é um mercadinho de produtos naturais e orgânicos que tem aqui em Hamburgo (e em outros lugares da Alemanha). Mas também costumo fazer o meu próprio caldo de camarão e legumes. Em outro post conto como faço.

As receitas da internet e a minha Air-Fryer

Desde que fui morar com meu marido (na época namorido), a internet é a minha melhor amiga na cozinha. Eu tenho vários livros de receitas, mas a verdade é que eu sempre recorro a ela… A minha fonte preferida é o tudogostoso.com.br. Coloco um ingrediente na busca e encontro 57869403 receitas diferentes com aquele ingrediente.. em segundo lugar vem o Pinterest.. as fotos são o que mais me atraem na hora de buscar uma receita.. e confesso que no tudogostoso, pra eu sequer abrir a receita.. tem que ter foto! IMG_2270

E foi por causa da foto que eu descobri um jeito ótimo de assar os nossos legumes. Foi num post do Jamie Oliver que eu comecei a aperfeiçoar os meus “roasted veggies”. Eu já costumava jogar as batatas no forno com sal e azeite quando morava no Brasil, dei uma melhorada fazendo batata doce, mas ainda não tinha tentado com outros legumes. Depois deste post do Jamie Oliver, comecei a jogar cenoura, erva-doce, brócolis, vagem, beterraba, etc etc etc. O que tiver na geladeira, eu jogo lá. Já me atrevi até a colocar um queijinho feta e o resultado foi Su-Ces-So! Nestas minhas andanças pelo mundo das receitas na internet descobri mais um truque… Sempre que vejo as receitas americanas o pessoal fala de um Spray de óleo. Nunca ouvi falar e nunca vi no Brasil nem aqui, mas me soa como algo genial… imagina não precisar lambuzar as mãos para untar um forma? Eu não achei o tal spray mas eu usei a minha cabeça e resolvi usar o meu pincel de silicone (que até então só era usado para pincelar a gema de ovo na massa do pão) para lambuzar bem o azeite no fundo da forma. Até eu começar a fazer isso, os meus “roasts” ficavam bem legais mas os legumes ainda grudavam um pouco na forma e isso me incomodava (afinal a parte mais gostosa e crocante da batata ficou grudada e não foi comida!). Eu jogava o azeite nos legumes e misturava bem com as mãos como ensinado pelo Jamie, mas ainda assim eu ficava chateada quando grudava (mesmo mexeIMG_2274ndo bem a forma de tempos em tempos no forno)… e voi lá.. depois que comecei a pincelar a forma com o azeite, nada de legumes e cebolas e etc grudados no fundo da forma!

Até pra fazer panquecas e omeletes eu passei a usar o pincel e ele é muito mais eficiente do que só jogar o óleo/manteiga/azeite e mexer a frigideira!

Essa passou a ser a minha receita mais versátil. Sempre que tenho muitos legumes na geladeira e estou com preguiça de inventar demais… corto tudo, pincelo a forma com azeite (e passo mais um pouco de azeite nos legumes) um pouquinho de sal, as vezes alecrim, outras um pouco de shoyu (e aí nada de sal), ou um pouquinho de balsâmico… e depois de uns 20 minutos no forno a 250 graus já temos a base do jantar… um franguinho ou um peixinho pra acompanhar e pronto! Hoje eu fiz batata doce (a daqui é bem laranjinha, bem diferente da nossa batata doce brazuca), vagem, aspargos brancos e erva-doce, e só coloquei azeite e sal mesmo.IMG_2273

Hoje além dos legumes eu assei umas asinhas de frango na Air-Fryer. Nada melhor do que poder comer uma asinha crocante sabendo que você usou um nada de óleo e ainda fica pronta em menos de 15 minutos! A única coisa que não curto muito da Air Fryer é lavar… mas daí eu também não gosto de lavar louça nenhuma…

As asinhas eu temperei com uma mistura de shoyu, óleo de gergelim (bem pouquinho), gengibre ralado, alho, pimenta seca (tipo chilli) e açucar. Isso mesmo.. mais uma receita que achei no Pinterest.. originalmente foi o molho do camarão que fiz pro ano-novo, que segundo o blog de onde tirei é um Camarão Mongol (da Mongólia). Hoje eu só adaptei os mesmo ingredientes e fiz uma marinada pro frango. Fiz a marinada quando o pequeno chegou da escola (umas 15:00) e deixei o franguinho pegando gosto por umas 2 horas e meia. Na Air-Fryer, como fiz só 3 asinhas, ficou pronto em 15 minutos.

IMG_2275

Receita (para 2 pessoas)

Para os legumes

Ingredientes

1 batata doce média descascada e cortada em cubos

100g (ou em torno de 12) de vagem inteiras

4 aspargos brancos cortados

1 (o aspargo branco precisa ser descascado como uma cenoura. Em alguns lugares você pode comprar já descascado./2 bulbo de erva-doce picada

3 colheres de sopa de azeite

sal a gosto

Modo de preparo

Pré-aqueça o forno a 200°C

Pincele o fundo e laterais de uma assadeira média com 1 colher de azeite.

Em uma vasilha misture a batata, a vagem, os aspargos, a erva-doce o restante do azeite e o sal. Coloque tudo na assadeira de forma bem espalhada e coloque no forno por 25 minutos ou até que os legumes estejam dourados e macios, mexendo na metade do tempo.

Para o frango

Ingredientes

4 asinhas de frango

1 colher de sopa de óleo de gergelim (ou outro óleo vegetal ou azeite)

2 dentes de alho espremidos

1 colher de sobremesa de gengibre ralado

2 colheres de sopa de molho shoyu

2 colheres de sopa de açucar demerara ou mascavo.

pimenta vermelha seca a gosto

(cebolinha ou salsinha picadas para decorar)

Modo de preparo

Faça uma marinada para o frango com todos os ingredientes (de preferência dentro de um saco com zip loc) e deixe pegar o gosto por, no mínimo, 2 horas.

Na Air-fryer: Pre aquecer a air fryer a 180°C, assar por 10 minutos, virar e assar por mais 5 minutos a 200° (somente nos últimos 5 minutos).

No forno: pré aqueça o forno a 180°C. Coloque as asinhas em uma assadeira com grelha (as asinhas na grelha e assadeira por baixo) e deixe assar por 10 minutos. Vire as asinhas, molhe-as novamente com o restante da marinada e deixe assar por mais 15 minutos ou até que elas estejam bem escuras (o açucar carameliza e elas ficam beem douradas).

Acrescente a salsinha/cebolinha.