Estrogonofe de Frango

Hoje de manhã tirei do freezer um pacotinho de filézinhos de frango pensando em fazer um macarrão para o jantar. Eu sempre compro frango (sassami, peito, coxas ou asas) e logo que chego em casa separo em porções menores e congelo. Assim quando decido o que fazer já tenho a porção com a quantidade exata, e não corro o risco de deixar nada estragaIMG_2279r na geladeira. Acontece que o marido avisou que tinha uma reunião e ia chegar mais tarde, o que significa que eu teria que fazer o jantar com o pequeno junto, e ele ainda não brinca sozinho por mais do que uns 5 minutos… Por isso acabei decidindo fazer o prato preferido deles, que na verdade eu faço mesmo quando eu estou sem imaginação, sem legumes na geladeira, com preguiça ou com pressa: estrogonofe 🙂

Estrogonofe é um prato que faço em 25 minutos contados no relógio. Ainda mais agora que faço a batata frita na Air Fryer… e faço de olhos fechados… de tantas vezes que já fiz na vida… rs

A minha parte preferida de fazer estrogonofe aqui na Alemanha é a oferta abundante de cogumelos frescos. Eu nunca fui fan dos champinhons em conserva que é o que normalmente usamos no Brasil, mas era o que tinha e eu acabava até usando bastante (tanto pro estrogonofe quanto pra outras receitas) mas aqui na Alemanha SEMPRE tenho champinhons IMG_2278frescos na geladeira. Primeiro por que ele até dura bastante tempo, segundo por que é simplesmente uma delícia…

Essa foi a primeira adaptação do meu Estrogonofe aqui na Alemanha. A segunda foi o arroz… Eu acho que faço arroz desde que tinha uns 7 anos… aprendi a refogar o arroz, depois me ensinaram a ferver a água primeiro, mas sempre deixei a água secar como boa brazuca que sou (e odeio arroz parabolizado!). Quando morei na Noruega e os vi fazendo arroz como fazemos macarrão (escorrendo a água depois de contado o tempo do cozimento) eu achei graça e fiz piada do método por muitos anos. Na IMG_2281Dinamarca nosso fogão também era a gás então nunca questionei o meu bom e velho método de secar a água, até bem recentemente… Aqui nós temos um fogão elétrico, super modernoso, e desde que comecei a fazer arroz aqui, seja o tipo que for (jasmim, basmati, etc) ele sempre empapa… se tento ajustar a quantidade de água, fica duro, coloco mais, empapa.. um horror.. e depois de inúmeras tentativas, mordi a língua e passei a fazer o arroz da forma que aprendi na Noruega… refogo a cebola e o alho, o arroz em seguida, coloco bastante água, conto 10 minutos após a água começar a ferver (sem baixar o fogo) e escorro o excesso de água.. voi lá, arroz no ponto! E agora que achei o jeito só compro o Basmati, que é uma delícia!

IMG_2282A batata frita eu já não frito há muuuuitos anos… acho que desde a minha estadia na Noruega também (lá se vão 15 anos!). Antes da Air Fryer eu fazia a batata congelada no forno com o back papier/cookie sheet (taí uma coisa que nunca vi no Brasil e que é uma benção! é um papel manteiga que você usa na forma pra fazer biscoitos sem precisar untar a forma – eu uso até pra fazer pão!) depois de uns 20 minutos a 200 graus ela fica bem gostosa. Não é a mesma coisa que a frita… mas quebra o galho.. Já a Air Fryer consegue deixa-la com gostinho de batata frita no óleo, só que sem óleo em 8 minutos!

E o estrogonofe, além da adaptação do champinhom tem a questão do creme de leite… Aqui não vende creme de leitIMG_2283e da mesma forma que no Brasil. Na verdade existe uma variedade tão grande de opções que eu já errei algumas vezes na escolha… no início eu usava o sahne 21% mas uma vez comprei outra marca e o creme era muito mais ralo.. ficou horrível.. aí passei a comprar o Créme Fraiche (como já fazia na Dinamarca) e foi a melhor coisa que fiz. Ele é bem grossinho como o nosso creme de leite só que sem o soro e como ele é fresco, ele não coalha.Pode ferver a vontade, fica perfeito!

Eu refogo um pouco de cebola e alho, frito o frango picado em seguida e acrescento os cogumelos picados. Depois de tudo frito coloco catchup e o creme de leite. A quantidade de Catchup eu vou adaptando até conseguir a cor que eu quero no molho.

Mais duas dicas que aprendi e que são ótimas:

Eu uso o espremedor de alho e espremo o alho sem descascar. Coloco o dente de alho inteiro e espremo. Sai só o alho espremido, fica só a casca dentro. Dica do Jamie Oliver 🙂

Quando frito a cebola no refogado, sempre coloco um pouco de sal antes de fritar, o sal impede a cebola de queimar e ficar preta/marrom logo. Dica da Nigella 🙂

IMG_2284Receita (quantidades para 2 pessoas)

Para o Estrogonofe:

Ingredientes

6 filezinhos tipo Sassami de frango (ou 1 filé de peito) picados

meia cebola picada

2 dentes de alho picados/espremidos

1 lata de creme de leite/creme fraiche

6 cogumelos tipo paris fatiados

1 colher de sopa de óleo vegetal

Catchup a gosto

Sal a gosto

Modo de fazer

Aqueça o óleo, acrescente a cebola, o alho e um pouco de sal. Deixe fritar até que a cebola esteja transparente. Acrescente o frango picado (temperado com um pouco de sal), deixe fritar até estar levemente dourado mexendo sempre. Acrescente então os cogumelos e quando já estiverem amolecidos, acrescente um pouco de Catchup. Abaixe o fogo, acrescente o creme de leite (se estiver usando creme de leite em lata/caixinha, deixe o fogo bem baixo e não deixe ferver) e vá acrescentando catchup até chegar na cor desejada, mexendo sempre.

Para o arroz (aqui eu explico como faço o arroz no fogão elétrico para que ele não fique empapado):

Ingredientes

Meia xícara de arroz branco, basmati ou jasmim

1 quarto de cebola picada

1 dente de alho picado

1/2 litro de água

1/2 colher de óleo vegetal ou azeite

sal a gosto

Modo de fazer

Aqueça o óleo em uma panela pequena, acrescente a cebola e o alho com um pouco de sal e frite até estarem “transparentes”. Acrescente a água e quando a água ferver acrescente o arroz e mais um pouco de sal. Deixe o arroz cozinhar por 10 minutos em fogo alto e então escorra a água do arroz utilizando uma peneira ou escorredor de macarrão fino.

Anúncios

Consumismos e a Árvore de Natal

Umas das coisas que mais me surpreendeu positivamente aqui na Alemanha foi a abundância de opções de produtos orgânicos. Você encontra, em um supermercado comum, opções de orgânicos para TODOS os produtos… Macarrão, café, frutas e legumes, ovos, leite, manteiga… TUDO! Existem até os mercados especiais com produtos naturais e orgânicos e o eventual mercado livre de embalagens como você já deve ter lido na internet (apesar de este só ter em Berlim, por enquanto). A Gruene Kiste, sobre a qual já comentei aqui, é uma opção para quem quer produtos além de orgânicos, que sejam produzidos localmente, e desta forma incentivar os pequenos produtores locais. Tudo isso é parte de uma onda sustentável, que ao meu ver tem tudo a ver com o momento da Alemanha.

Você também já deve ter lido sobre o florescer do pós-consumismo na Alemanha, neste artigo que está rodando a internet há alguns meses. Ele é totalmente real e eu vejo isso todos os dias. Flohmarkts (“mercados de pulgas”) onde se vende tudo o que não se usa mais, móveis e eletrodomésticos deixados na calçada com um bilhete escrito “zu verschenken” (doação), grupos e mais grupos no facebook e na internet trocando, vendendo ou doando coisas que não se usam mais. Tudo isso, na minha opinião, vai de encontro com o que falei acima sobre esta onda de sustentabilidade.

Além de tudo isso, separar o lixo aqui é algo tão corriqueiro que nem se percebe… no Brasil, em cada cidade a coleta seletiva funciona de um jeito diferente.. é uma bagunça.. por muito tempo enquanto eu morava em São Bernardo do Campo eu precisei andar até a lixeira de coleta seletiva com o meu lixo limpo, enquanto que em Santos o caminhão da seleta coletiva passava semanalmente desde que eu me entendo por gente. Aqui, o nosso prédio tem a lixeira do lixo comum e a lixeira de embalagens (e eu já vi outros prédios com lixeiras específicas para lixo orgânico/biológico), mas papel e vidro são descartados em bunkers que estão localizados principalmente perto de parques e estações de metrô. Claro que ainda tem muita gente que joga papel no lixo comum, não separa o lixo, ou simplesmente deixa garrafas de vidro no parque há 100 metros do bunker destinado a isso… mas a maioria das pessoas leva a sua sacolinha com o lixo já limpo e separado até o local destinado para isso.

Os supermercados também não dão sacolinhas plásticas. As pessoas levam as suas próprias sacolas ou compram sacolas mais resistentes no próprio caixa.

Eu acho isso o máximo! É o futuro, são as pessoas se preocupando com o mundo que estão deixando para os seus filhosIMG_2269!

Aí chega o Natal, as pessoas compram seus pinheiros naturais com uma base de madeira pregada no tronco no dia 23 ou 24 de dezembro, e já no dia 5 de janeiro, a cidade está infestada de pinheiros jogados na base de uma árvore na calçada para serem coletadas. E não estou falando da eventual árvore… estou falando de mais de 30 árvores ao longo de uma única rua de uns 200 metros de comprimento…

E então eu me pergunto: Onde está a onda de sustentabilidade no Natal?

Tudo bem que estas árvores são plantadas pra este fim… tudo bem que a prefeitura coleta todas estas árvores e as incinera, etc e tal… Mas será que ninguém se questiona sobre a real necessidade de se cortar uma árvore para enfeitar a sua casa por 2 semanas e então simplesmente descartá-la? As pessoas não estão mais produzindo lixo como costumavam.. mas continuam jogando árvores fora como se elas fossem realmente descartáveis… Mesmo que elas sejam “biodegradáveis”, mesmo que não “poluam” a natureza como plásticos, vidros, etc… será que precisamos continuar fazendo isso?

Enfim… acho que é algo a se pensar..

IMG_2276Aqui em casa, nós temos uma árvore de plástico, pois no Brasil essa era a opção mais simples e fácil. Mas este ano, eu confesso que quis uma árvore de verdade… pra ter cheiro de natal em casa… e por isso compramos um pinheirinho em um vaso, com a intenção de mantê-lo vivo por mais alguns anos, replantá-lo em um vaso maior quando for o momento, e quem sabe finalmente plantá-lo no nosso jardim quando tivermos um. Será um desafio pra mim, pois eu não tenho um histórico muito positivo de plantas sobreviventes 😦 mas eu vou fazer o que estiver ao meu alcance! Hoje nosso pinheiro será “desmontado” e colocado na nossa varandinha pra tomar sol, chuva, vento e ar o ano todo até o próximo Natal.

Este vai ser o meu maior desafio de 2015! rs