Arroz e Feijão – Natural do Brasil

Hoje vou falar do que comemos no domingo… passou um pouco de tempo mas achei que o pão de batata doce ia deixar vocês com mais água na boca 😛

Agora, pra quem tá há muito tempo longe do Brasil, o post de hoje é que vai ser de dar água da boca.

No Brasil eu nunca fui de fazer arroz com feijão. No máximo fazia feijão pra fazer sopa, mas quando queria comer um bom feijão preto era só sair de casa num sábado e apreciar qualquer restaurante por quilo da cidade. Já aqui na Alemanha, mesmo que ainda seja possível achar um restaurante que sirva um feijoada, já não é tão fácil.

Aqui em casa a gente prefere o feijão preto. Mesmo quando o prato não é a tradicional feijoada, o feijão preto é o nosso preferido. Confesso que sinto falta de um bom paio ou de um linguicinha calabresa ou uma costelinha no meu feijão, mas ainda não fiz a receita completa por preguiça mesmo.

Como contei aqui, este final de semana minha cunhada veio nos visitar, e como ela já vive em Londres há quase 10 anos, resolvi fazer uma agradinho e preparar uma comidinha brazuca. Não que a gente precise de desculpa, por que normalmente aos finais de semana a gente come um arrozinho com feijão mesmo (e coincidência, ou não, é só neste dia que todo mundo aqui em casa tira um cochilo depois do almoço rs).

Então neste domingo eu resolvi fazer um franguinho “tipo” churrasco pra mostrar pra vocês. As vezes eu faço uma coxinha de frango no forno com cebola, outras vezes uso a air fryer, mas 100% das vezes a proteína que acompanha nosso arroz com feijão é frango. (ai que saudade de um bifinho de picanha…)

O arroz eu já contei pra vocês como faço. O feijão eu contei mais ou menos aqui, a única diferença entre a maneira de temperar o feijão para a sopa ou para acompanhar o arroz é que no segundo caso eu frito o bacon junto com a cebola e o alho, e que adiciono só 1 medida de água (igual a que coloquei de feijão congelado). O resto é igual.

Então hoje eu vou contar pra vocês como eu fiz o frango e a farofa.

Frango assado (para 3 pessoas)

IngredientesIMG_2395

7 asinhas de frango (ou coxa, ou sobrecoxa) *Essa receita deixa o peito de frango muito seco e eu não recomendo.

Alho, sal e tempero à gosto

Modo de Preparo

Tempere o frango à sua moda. Eu costumo usar só alho triturado, sal e limão, como esta semana eu não tinha limão, usei um tempero próprio para aves. Deixe o frango “curtir” no tempero por pelo menos 1 hora.

Utilize uma assadeira com grelha, acrescente um dedinho de água na assadeira e espalhe os pedaços de frango por cima da grelha, como em uma churrasqueira.

Pré-aqueça o forno a 200°C. Asse o frango por 45 minutos a 1 hora, virando as partes na metade do tempo. Se você gostar do seu frango molhadinho, eu sugiro acrescentar um pouquinho de manteiga em cima de cada parte no início do processo.

IMG_2397Farofa

Ingredientes

1 colher (sopa) de bacon picado

1 colher (sopa) de azeitonas picadas

1/4 de cebola picada

1 ovo

2 xícaras de farofa pronta Yoki* (ou farinha de mandioca torrada**)

se tiver cebolinha ou salsinha em casa, também pode acrescentar (por último)

Modo de Preparo

Em uma frigideira grande frite o bacon até que ele solte bastante gordura, acrescente a cebola e frite até que ela fique dourada, em seguida acrescente a azeitona. Reserve essa mistura na lateral da frigideira e frite um ovo (separado da mistura) mexendo a gema e a clara.

Acrescente a farofa e misture bem. Se decidir usar temperos verdes, acrescente-os no final do processo. Se usar farinha de mandioca, tempere com sal e pimenta a gosto.

*Eu compro tanto a farofa Yoki como a Farinha de Mandioca pela amazon.com.

**se usar a farinha de mandioca tempere com sal e pimenta a gosto

A nossa saladinha tinha alface, agrião, tomate, cenoura e beterraba raladas, cogumelos frescos e queijo feta.

IMG_2335

Anúncios

Raclette

Ainda não chegamos no pratos típicos alemães, mas estamos perto!

Raclette é um prato suíço que eu conheci através do meu marido. A primeira vez que ele me prometeu cuidar do jantar, ele fez raclette. Cozinhou algumas batatas e pronto. Até hoje este é um assunto polêmico aqui em casa, já que, naquela ocasião eu disse que ele não podia dizer que tinha “preparado” o jantar, e até hoje, quando faço raclette, ele insiste que eu também não cozinhei nada.IMG_2339

Há umas 3 semanas fomos convidados à casa de uns amigos e eles serviram raclette para o almoço. Foi a primeira vez que eu comi este prato no almoço e também a primeira vez que o comi à moda de outra família. Foi interessante por que lá eles serviram a raclette com várias coisas que eu nunca tinha imaginado e acabaram nos dando algumas idéias de como fazer a raclette se tornar mais atrativa pra nós mesmos na nossa casa.

Bom, comecemos do começo. Se você ainda não sabe o que é raclette, aí vai uma breve descrição.

A palavra raclette deriva do queijo do mesmo nome, que por sua vez deriva da palavra francesa “racler” que quer dizer raspar. Originalmente, o queijo é colocado perto do fogo e quando apresenta consistência mais macia, é raspado e colocado em cima da comida (normalmente batatas). O raclette também pode ser feito com uma máquina própria, que é basicamente uma grelha elétrica com espaço para pequenas “panelinhas” onde se coloca o queijo já fatiado para ser derretido. O raclette também é normalmente servido com picles e carnes frias. Mas você pode, basicamente, incluir qualquer coisa que você ache que combine com queijo e que possa ser IMG_2337grelhado na hora.

Na nossa casa, depois da apresentação do prato pelo meu digníssimo, nós costumávamos fazer raclette a noite. Por que não incluíamos muitos outros ingredientes além do queijo e das batatas e acabava virando uma refeição leve. Na casa dessa nossa amiga, eles serviram a raclette com carne vermelha, tanto em forma de filé como em forma de carne moída (preparada como hambúrguer) e mais um monte de outras coisas como legumes, macarrão, etc.

Foi aí que eu comecei a enxergar a raclette mais como uma refeição que poderia ser servida no almoço, principalmente em dia de mais preguiça ou que teríamos um jantar mais pesado.

No Brasil, nós fizemos raclette algumas vezes. Mas como lá o tempo, normalmente, é mais quente, ficava difícil jantar no calor com aquela grelha em cima da mesa. (Imagina comer em volta da churrasqueira no verão!). Por isso, fizemos poucas vezes e sempre no inverno. Como lá não encontrávamos queijo próprio pra raclette, usávamos outros tipos de queijo mesmo (mussarela, queijo prato, provolone, gorgonzola, etc) e ficava uma delícia.

Já tínhamos feito algumas vezes aqui na Alemanha também, inclusive como almoço nos dias do Natal e véspera de Ano Novo. E neste final de semana, minha cunhada veio nos visitar, e “solicitou” que o prato fosse servido durante a visita dela. 😉

E foi o que comemos no almoço de sábado.

Na descrição original do raclette as batatas podem ser cozidas ou assadas. Aqui eu costumo cozinha-las normalmente IMG_2341(com casca e tudo – bem lavadas) e depois embrulho em papel alumínio para que elas continuem quentes por mais tempo.

Depois do raclette na casa dos nossos amigos, nós então decidimos incluir mais algumas coisas na “receita” e como não costumamos comer muita carne vermelha, nosso raclette agora é regado a filézinhos de frango, camarão, bacon e cogumelos paris (os dois últimos a gente já costumava incluir). Outra coisa que fica à disposição são temperos diversos, como pimenta, azeite, salsinha e manjericão (frescos ou não), orégano, sal.. seja para colocar no queijo a ser derretido ou para temperar a batata. Outra coisa que fica bem gostosa se incluída são aspargos, e estou pensando seriamente em incluir brócolis da próxima vez.

E vocês, já conheciam Raclette?

* Dica do maridão: se for fazer raclette, feche as portas de todos os outros cômodos da casa e lembre-se de tirar o varal da sala (se você, como nós, secar as roupas dentro de casa no inverno)! a casa fica cheirando a raclette por uns 2 dias! 🙂